O papel da tecnologia nas entidades setoriais

Qual o papel da tecnologia na gestão de uma entidade setorial? Como as associações lidam com a tecnologia da informação, com os recursos disponíveis, com as ferramentas tecnológicas, os processos e sistemas?
Para entender melhor como as associações gerenciam a tecnologia e como as expectativas dos associados se alinham com o ambiente tecnológico que suas organizações criaram, a Fundação ASAE, ligada à entidade do mesmo nome e que reúne mais de 35 mil associados de 7.400 associações nos Estados Unidos com a missão de investir no treinamento e na liderança do setor, desenvolveu um grande estudo que revela novas informações sobre o setor e oferece orientação sobre o que as associações podem fazer para se preparar para o futuro. O levantamento feito com entidades norte-americanas, apesar de retratar a realidade vivida em um mercado, no geral, tecnologicamente mais avançado do que o nosso, identificou uma série de pontos que servem como reflexão para a nossa realidade e apontam alguns caminhos. Leia abaixo os principais dados do estudo:
Maturidade de TI
A maturidade de TI (Tecnologia da Informação) refere-se ao grau em que os sistemas de tecnologia e o ambiente de uma associação refletem a inovação e contribuem para o sucesso da organização. O estudo da Fundação ASAE teve como objetivo descobrir como os entrevistados se saíram em uma escala de maturidade de TI de 100 pontos.
As 277 associações que participaram da pesquisa receberam pontuações com base em suas decisões de tecnologia e investimentos. A maturidade de TI foi classificada em quatro estágios, cada um definido por características específicas:
Restrito (pontuação de 0-33). Nessas associações, a tecnologia às vezes causa mais mal do que bem. Os recursos de web não possuem interatividade, os dados são descentralizados, a infraestrutura e o suporte são instáveis e a tecnologia carece de uma perspectiva estratégica.
Funcional (pontuação de 34-49). A tecnologia organizacional funciona, mas carece de integração e automação. A integração do site é limitada, os dados não estão integrados, o planejamento de TI é esporádico e o suporte de TI é limitado.
Eficaz (pontuação de 50-83). Nessas organizações, a tecnologia é mais do que uma ferramenta operacional. A tecnologia apoia a missão da organização, agregando valor ao associado. Os principais sistemas de operações estão integrados com o site, os bancos de dados são centralizados, o planejamento é anual e o suporte é pró-ativo.
Inovador (pontuação de 84-100). As associações nesta etapa usam a tecnologia estrategicamente para atender às necessidades existentes dos associados e antecipar as necessidades futuras. A associação possui estratégias bem definidas para o seu site, mídia social e engajamento móvel. Os dados são usados para inteligência de negócios e apoiam decisões, a infraestrutura incorpora tecnologias marginais e a equipe de TI é uma parceira crítica no avanço da missão e na garantia do serviço constituinte.
A maioria das associações que participaram do estudo apresenta uma pontuação média de 60. Em última análise, isso significa que seus sistemas de tecnologia são apoiados e apoiam suas missões. Essas organizações também fazem um bom trabalho de gerenciamento de dados, têm processos e infraestrutura sólidos e se envolvem em um planejamento de longo prazo. Mas o estudo revelou algumas diferenças entre associações. Por exemplo, as associações profissionais tendem a ter níveis mais altos de maturidade de TI do que associações comerciais.
A maturidade de TI também rastreia o tamanho do orçamento: as organizações com menos de US$ 1 milhão em receita têm uma pontuação média de 54, enquanto que com uma receita de US $ 5 milhões, ou mais, 66. No entanto, o escopo geográfico de uma associação (local, nacional ou internacional) não afeta a maturidade de TI.
Embora a maioria dos entrevistados tenha obtido resultados positivos, apenas 9% deles gerenciam a tecnologia e a integração tecnológica de forma inovadora — o nível mais alto de maturidade de TI.
Satisfação dos membros
Enquanto a maturidade de TI se concentra em recursos e práticas internas, o estudo também analisou fatores externos, como a satisfação dos associados com o que a tecnologia oferece. Há boas notícias: os associados estão muito mais satisfeitos com a tecnologia de sua associação do que os tomadores de decisão de TI e os funcionários acreditam que estão.  A maioria dos funcionários de TI subestima o nível de satisfação tecnológica de seus associados: 52% deles estão altamente satisfeitos, mais do que o dobro do nível percebido pelos tomadores de decisão de TI.
A satisfação dos associados com a tecnologia das entidades não é apenas uma boa notícia para as equipes de TI. Entre os associados altamente satisfeitos com a tecnologia de sua associação, 88% estão altamente satisfeitos com a sua participação em geral. Entre aqueles que não estão altamente satisfeitos com a tecnologia de sua associação, apenas 47% estão altamente satisfeitos com a sua adesão.  Entre os associados que relataram estarem altamente satisfeitos com a tecnologia de sua associação, 95% indicaram uma alta probabilidade de renovar sua adesão. Entre os membros que não estão altamente satisfeitos com a tecnologia de sua associação, apenas 78% indicaram uma alta probabilidade de renovação. Ou seja, há uma conexão direta entre o investimento em tecnologia e a satisfação geral do associado com a sua entidade e o nível de retenção.
O estudo também perguntou aos membros sobre sua satisfação em áreas específicas de tecnologia. A área com maior satisfação dos associados é a de segurança da informação (78% satisfeitos), o que significa que eles estão confiantes na capacidade de sua associação de manter suas informações seguras. Por outro lado, 65% dos associados dizem estar pouco satisfeitos com a capacidade de as entidades adaptarem conteúdos digitais às suas necessidades.
Áreas de oportunidade
As associações podem avançar no desenvolvimento de conteúdos digitais, treinamento, educação à distância e, principalmente, na inclusão das decisões tecnológicas na definição da estratégia organizacional geral, apontou o estudo.
Os associados ouvidos na pesquisa indicaram, em linhas gerais, o que esperam das suas entidades:

  • Capacidade de encontrar informações necessárias online
  • Capacidade de acessar recursos educacionais e treinamento nos formatos digitais desejados
  • Capacidade de adaptar o conteúdo digital às necessidades
  • Capacidade de acessar recursos online em qualquer dispositivo

Diante deste cenário, o foco maior das associações deveria estar no desenvolvimento de conteúdo online adequado para ambiente digital; no investimento em treinamento e desenvolvimento de sua equipe de TI; na definição de uma estratégica clara de investimento na infraestrutura tecnológica da entidade; no investimento em ferramentas e processos que permitam uma efetiva integração de dados e, o mais importante, em um planejamento que considere as decisões em relação à tecnologia como item fundamental do planejamento estratégico da entidade.
Para as associações que se concentram em alavancar dados, melhorar os processos e investir em novas tecnologias, o trabalho difícil provavelmente será compensado com a obtenção de associados mais envolvidos e satisfeitos.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta