Associações criam código de ética e melhores práticas para fintechs brasileiras

As principais associações representativas de startups financeiras acabam de criar o Código de Ética e Melhores Práticas do segmento Fintech. O documento, lançado no último dia 30, durante a Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo (CASE), teve a adesão do Comitê de Fintech da Associação Brasileira de Startups (ABStartups), da Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs), da Associação Brasileira de Crowdfunding de Investimento (Crowdinvest) e da Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto), informa o E-Commerce News.
Este código estabelece alguns padrões mínimos de operação de uma fintech. Entre essas diretrizes estão desde princípios éticos fundamentais até práticas de “Conheça o seu Cliente” e prevenção à lavagem de dinheiro.
O documento foi elaborado ao longo do segundo semestre de 2018 pelas associações que compõe o Grupo de Trabalho Fintech do Laboratório de Inovação Financeira (LAB), uma iniciativa conjunta entre Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE), Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Comissão de Valores Imobiliários (CVM).
Com a assinatura, as entidades passam a exigir o cumprimento dos itens apresentados no código por suas associadas. A ideia é que, com a iniciativa, o segmento brasileiro das fintechs brasileiro passe a ter um alicerce básico definido pelos seus próprios participantes, a exemplo de outros países do mundo, como Espanha e Indonésia.
“creditamos que o setor Fintech vem ganhando cada vez mais relevância no contexto nacional, e a mensagem que o Código de Ética e Melhores Práticas passa é a de que o ecossistema está evoluindo e se organizando perante à sociedade, inclusive com a cooperação mútua entre as diferente associações que defendem os interesses das startups financeiras em nosso país”, diz Bruno Diniz, presidente do Comitê de Fintechs da ABStartups.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta