Abiquim: faturamento da indústria química deve crescer 20% em 2018, mas setor ainda enfrenta gargalos

O presidente do conselho diretor da Abiquim, Marcos de Marchi (Foto: Alan Santos/PR)

O faturamento da indústria química brasileira deve chegar a R$ 462,3 bilhões em 2018, montante 20% maior que o do ano passado. Em dólares, o faturamento estimado, de US$ 127,9 bilhões, será 5% maior que o de 2017. O desempenho é considerado muito bom por representantes do setor, mas ele não deixa de espelhar também as enormes batalhas que o segmento tem pela frente.
“Os números positivos escondem um grande desafio, pois esse crescimento nos traz de volta ao patamar que tínhamos em 2008″, afirmou o vice-presidente do conselho diretor da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), Fernando Musa. As projeções foram apresentadas no 23º Encontro Anual da Indústria Química, realizado pela Abiquim, em São Paulo, no último dia 7.
O déficit da balança comercial do setor voltou a crescer e deve fechar 2018 em cerca de  US$ 30 bilhões. “Vinte e cinco porcento do faturamento do setor vem dos produtos exportados. Estamos gerando empregos e renda no exterior”, declarou o executivo. “Mas estamos prontos para investir aqui uma vez que as condições de competitividade global estiverem presentes.”
A entidade apresentou também um estudo sobre os entraves burocráticos à competitividade da indústria química, em que identificou 23 pontos a serem resolvidos. “O Brasil pode economizar de R$ 1 bilhão a R$ 1,5 bilhão por ano se as medidas que propomos forem adotadas”, afirmou o presidente-executivo da entidade, Fernando Figueiredo.
Além da burocracia, a Abiquim mapeou outras 73 propostas nas dimensões matéria-prima, logística, tecnologia, energia, comércio exterior e regulação, para reconquistar a competitividade da indústria química no Brasil. “São propostas que não oneram o setor público, dependem apenas de vontade política e que, se adotadas, poderiam aumentar o PIB do setor químico em 20% nos próximos quatro anos, e dobrar até 2030”, diz Marcos de Marchi, presidente do conselho diretor da Abiquim.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta