Veja três dicas para manter os colaboradores de sua entidade motivados

Quando empresas, organizações e entidades de classe não se concentram no bem-estar de seus colaboradores, muito rapidamente os sinais de esgotamento desses profissionais começam a aparecer. É a chamada síndrome de burnout, que atua como um incêndio, de acordo com Jodi Whiteman, diretora de desenvolvimento profissional e inovações da força de trabalho na organização americana Zero to Three, voltada ao bem-estar na primeira infância.
“Todos nós geralmente chegamos ao trabalho com esse sentimento intenso de excitação”, disse a especialista ao site americano Associations Now. “Você está acelerado – quer mergulhar, tem interesse nos projetos. Mas se você não abastecer esse fogo com oxigênio – e todas as coisas que um fogo precisa para continuar queimando -, você terá esse esgotamento, e então o fogo uma hora ou outra irá queimar.”
Abaixo, três dicas da especialista para manter os colaboradores motivados e felizes.
Estimule o bem-estar
O primeiro passo para empresas, associações e entidades de classe evitarem o desgaste dos funcionários é criar uma cultura organizacional que estimule seu bem-estar. É preciso pensar no bem-estar do funcionário, criar essa cultura e comprometer-se com todos os níveis, da alta administração ao escalão mais baixo.
Lembre seus funcionários da visão da organização
É preciso envolver os funcionários com a missão, as metas e a estratégia da entidade para que todos sintam que estão trabalhando juntos pelo melhor da organização. E há diferentes maneiras para fazer isso. Uma delas: durante as reuniões com seus subordinados diretos e outros membros da equipe, lembre-os de como o trabalho que estão fazendo tem relação direta com a missão geral da organização. Isso permitirá que eles vejam o panorama geral e entendam como o trabalho diário deles está fazendo a diferença para os membros e para os outros.
Mantenha reuniões regulares no calendário
Quando as coisas ficam corridas e as tarefas se avolumam, é fácil pensar que as reuniões de equipe são opcionais. Mas não é o caso. “Quando você perde uma reunião porque está ocupado, fica mais propenso a perdê-la de novo e de novo e de novo – e isso realmente o desconecta de seus funcionários e de sua equipe”, disse Whiteman. Esses encontros servem para os supervisores fazerem perguntas como: “Como você se sente sobre esse trabalho? O que está funcionando para você? E o que não está funcionando?” Fazer esses questionamentos demonstra cuidado e preocupação – e pode manter os funcionários motivados e felizes durante períodos de trabalho mais intenso.
Mas qual é, afinal, o objetivo final de uma cultura em que o bem-estar dos funcionários é valorizado? “Felicidade”, disse a especialista. Com ela vêm a redução da rotatividade do quadro de colaboradores e o aumentando da produtividade – o que demonstra que cuidar dos colaboradores é agir diretamente pelo bem da própria organização.
 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta