Cada ciberataque gera, em média, perda de US$ 7,2 milhões a empresas brasileiras

Mais um alerta para que as associações e entidades de classe reforcem suas defesas digitais: as empresas brasileiras perderam, em média, US$ 7,2 milhões com cada ciberataque ocorrido ao longo de 2018 em setores como varejo, bancário e de serviços públicos. O dado aparece em um levantamento feito em 11 países pela Accenture e pelo Ponemon Institute, que realizaram mais de 2,6 mil entrevistas com representantes de 355 organizações.
LEIA TAMBÉM:
Falta de união entre áreas afeta transformação digital nas empresas, diz estudo
Consumidores duvidam da segurança de dados nas redes sociais, diz estudo
Essa foi a primeira vez que a consultoria incluiu o Brasil em sua pesquisa anual sobre o tema, segundo informa o jornal O Estado de S. Paulo. Nos Estados Unidos, país com as maiores perdas, de acordo com o levantamento, cada ação dos criminosos gerou prejuízo de US$ 27,3 milhões, em média, montante 29% maior que o do ano anterior.
As perdas ocorrem em ações que incluem espionagem econômica e vazamento de propriedade intelectual. O malware – tipo de software que tenta infectar computadores e smartphones para extrair informações pessoais, senhas ou bloquear os aparelhos – é o golpe mais frequente, informa a Accenture. No ano passado, o prejuízo médio com malware cresceu 11%, para US$ 2,6 milhões.
De acordo com o levantamento, em 2018, cada uma das empresas pesquisadas registrou uma média de 145 ciberataques, com a infiltração dos criminosos nas redes centrais das companhias. O número é 11% mais alto que o registrado em 2017 e 67% maior que de cinco anos atrás.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta