Investimentos em TI devem passar de R$ 200 bi no Brasil em 2019, diz associação

Impulsionados pela venda de dispositivos, os investimentos em TI no Brasil devem crescer 10,5% neste ano, superando a marca de R$ 200 bilhões, segundo projeção da Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES). O desempenho fica acima da média global, para o qual se espera crescimento de 4,9%. O estudo “Mercado Brasileiro de Software e Serviços” foi realizado em parceria com o IDC e apresentado no início deste mês.
O levantamento mostra que o Brasil permanece em nono lugar no ranking mundial de investimentos em TI. Ele revela ainda que os investimentos em TI (software, hardware e serviços) no país superaram as expectativas para 2018, quando cresceram 9,8 e chegaram a US$ 47 bilhões – o aumento ficou bem acima da previsão para o ano, que era de 4,1%. Desse valor, US$ 23,9 bilhões (51,3%) são referentes a investimentos em hardware, US$ 12,2 bilhões (26,2%) a serviços e US$ 10,5 bilhões (22,5%) a software.
LEIA TAMBÉM:
“O Brasil é um paraíso para quem trabalha com IA”, diz presidente da ABRIA
Mercado de segurança eletrônica deve crescer 10% em 2019, estima Abese
Conheça o trabalho da ABES para coibir a pirataria na indústria de softwares
“Com um crescimento de 9,8%, o Brasil superou a média mundial de investimentos em TI em 2018, que foi de 6,7%. Esses dados mostram que uma tímida recuperação da economia observada em 2018, aliada à expectativa de uma recuperação mais vigorosa a partir de 2019, trouxe uma retomada dos investimentos em tecnologia que superaram a expectativa, comprovando a importância do Setor para que as empresas possam buscar mais produtividade, eficiência e competitividade”, diz Jorge Sukarie, vice-presidente do Conselho da ABES.
Sukarie apresentou o estudo durante o jantar que empossou Rodolfo Fücher, sócio fundador da FEMP Participações, como o novo presidente da ABES e Paulo Milliet Roque, diretor da autoridade certificadora Digiforte, como o vice-presidente da entidade. Na ocasião, também foram empossados os novos membros da diretoria executiva para os próximos três anos: Vanda Scartezini, sócia-sênior da Polo Consultores Associados, presidente da DNS Women Institute e presidente do conselho da Fundação Sitec; Fábio Rua, diretor de assuntos governamentais e regulatórios da IBM América Latina; e Lauro de Lauro, cloud guru sênior na Sky.One Cloud Solutions.
Os números preliminares do estudo, que deve ser publicado na íntegra no segundo semestre de 2019, indicam que a somatória dos investimentos em TI em 2018 nos países analisados chegou a US$ 2,23 trilhões, um valor 6,7% maior que o do ano anterior. Os Estados Unidos lideram o ranking mundial com US$ 822 bilhões, seguidos por China e Japão, com US$ 250 bilhões e US$ 140 bilhões, respectivamente.
Na América Latina, o Brasil se manteve em primeiro lugar no ranking, responsável por 42,8% dos investimentos em TI. O país responde por mais que o dobro registrado pelo México (20%), que ficou em segundo lugar, seguido por Argentina (7,5%) e Colômbia (7,1%). A região investiu US$ 108,8 bilhões no mercado de TI em 2018, representando quase 11% do total mundial.
Em relação ao investimento em TIC, que inclui TI e Telecom, o Brasil desceu uma posição, ficando em sétimo lugar no ranking mundial, com US$ 97 bilhões investidos, seguindo uma tendência de ligeira retração dos últimos anos desse setor. Nesse quesito, o Brasil ficou ainda à frente da Índia (US$ 86 bilhões) e logo depois da França (US$ 109 bilhões).

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta