Brasscom: setor de tecnologia da informação sofre com a falta de mão de obra

O setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) está com falta de mão de obra no Brasil, segundo levantamento apresentado recentemente pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom). Em um cenário de 13,4 milhões de brasileiros desempregados, sobram vagas no setor por falta de profissionais qualificados, diz a entidade. O setor foi responsável por 7% do PIB de 2018 e demandará 420 mil novos empregos entre 2018 e 2024.
O mercado brasileiro de TIC é o sétimo maior do mundo, ficando atrás de Estados Unidos, China, Japão, Reino Unido, Alemanha e França. Em 2018, o setor era responsável por 1,52 milhão de empregos e criou outros 43 mil novos postos de trabalho. O segmento obteve uma produção setorial de R$ 479,1 bilhões e um crescimento nominal de 2,5%.
LEIA TAMBÉM:
– Nada tira mais o sono dos CEOs hoje do que a segurança digital, afirma estudo
– O que associações do setor dizem sobre o Plano Nacional de Internet das Coisas
– Apenas 37% das vagas em TI no Brasil são ocupadas por mulheres, diz associação
Segundo o diretor de relações institucionais da Brascom Paulo Sergio Sgobbi, sobram vagas no setor por falta de mão de obra: “Existem alguns problemas: um deles é a desconexão geográfica de onde se forma e onde se demanda. Por exemplo: São Paulo representa 45% do mercado de TI no Brasil, e forma insuficientemente para a quantidade demandada. O oposto ocorre na Bahia, por exemplo, onde se forma muito mais gente do que se contrata”, disse ele, em comunicado.
Segundo Sgobbi, os currículos defasados das instituições de formação são outro problema. “A tecnologia se atualiza permanentemente, e os currículos têm uma certa rigidez nos seus processos, principalmente os de ensino superior. Há um engessamento que não permite essa atualização de acordo com o que o mercado está exigindo”.
Carlos Alberto Ramos, professor do Departamento de Economia da UnB e especialista em mercado de trabalho, explica que esse cenário pode ser revertido com o tempo. “A formação desse tipo de profissional demora, mas geralmente quando se tem falta de mão de obra, os salários sobem e existe uma indução da juventude para que escolha aquela área que está em ascensão”, diz.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta