Associações empresariais aderem em São Paulo a manifesto por imposto único

Leia também

O Instituto Brasil 200 lançou nesta terça-feira (16/7) um manifesto a favor de um imposto único no país. O evento teve participação do vice-presidente Hamilton Mourão, que discursou para uma plateia de cerca de 400 empresários, em um encontro a portas fechadas realizado um hotel na capital paulista. O documento tem a assinatura de 35 entidades dos setores da indústria e do comércio.
A proposta da entidade, fundada pelo empresário Flávio Rocha, do grupo Riachuelo, é que todos os tributos federais, estaduais e municipais sejam substituídos por um imposto sobre transações financeiras, aos moldes da antiga CPMF, com alíquota em torno de 2,5%, parte cobrada no débito, parte no crédito.
LEIA TAMBÉM:
– MP da “liberdade econômica”: associações criticam mudanças trabalhistas
– No Senado, associações reforçam críticas à portaria sobre imposto de importação
– Unidas, entidades lançam manifesto contra “excesso de decretos” do governo
Para o presidente do Instituto Brasil 200, Gabriel Kanner – sobrinho de Rocha -, o percentual sugerido permitiria ao governo manter a atual arrecadação, mas com uma base maior de contribuintes. Ele disse que Mourão afirmou ser favorável a um imposto único. A palestra do vice-presidente não pôde ser acompanhada pela imprensa por uma exigência de Mourão, segundo a organização do evento.
“O vice-presidente se mostrou otimista e sinalizou apoio a nossa proposta sobre movimentação financeira”, afirmou Kanner, segundo o jornal O Globo.
As entidades do setor produtivo e sindicais que apoiam a proposta de imposto único sobre transações financeiras defendem que esse tipo de cobrança tende a acabar com a sonegação de tributos e reduzir o preço final dos produtos ao consumidor.
A lógica dos empresários que defendem essa ideia é que como se trata de uma cobrança automática de 2,5% nas operações de crédito, débito, pagamento de boleto ou cartão, os recursos ficam disponíveis ao governo imediatamente, o que agiliza sua utilização.
Para a Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), uma das entidades que apoiam o imposto único, a transferência de pagamento de impostos federais como PIS/Cofins e IPI ao consumidor por meio da cobrança de imposto nas operações de débito, crédito e pagamentos fará com que o preço dos brinquedos caia entre 5% e 6%. Além disso, segundo Synésio Batista da Costa, presidente da Abrinq, a medida pode fazer com que todas as vendas pela internet e a economia informal sejam tributadas, eliminando a sonegação.
O presidente da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), Nabil Sahyoun, disse que, pelos estudos feitos para a proposta, seria possível arrecadar R$ 500 bilhões a mais por ano com o fim da sonegação.
O presidente da União Geral dos trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, também defende a ideia de um imposto único, já que o atual sistema cobra uma carga mais pesada de tributos dos mais pobres. “Com o imposto único, a ideia é que todo mundo pague um pouco”, disse.
O movimento de empresários vai buscar agora parlamentares que possam apadrinhar a proposta e incluí-la no debate sobre a reforma tributária no Congresso. O documento foi enviado ao presidente Jair Bolsonaro e aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre. O movimento também quer fazer manifestações de rua em favor da proposta.
Para o presidente do Instituto Brasil 200, o projeto de criação de um imposto sobre valor agregado (IVA) na esfera federal é um paliativo para os problemas tributários. “A proposta do IVA não é ruim, mas ela pega nosso sistema atual, que é ultrapassado, burocrático e falido, e faz algumas melhoras. O imposto único promoveria uma maior simplificação”, afirmou.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes