Brasil cai (ainda mais) no ranking sobre facilidade para fazer negócios

É dura a vida das empresas no Brasil. O país caiu nada menos que 15 posições, de 109° para 124°, no ranking Doing Business, com o qual o Banco Mundial avalia o nível de facilidade para se fazer negócios em 190 países. A nova edição do estudo foi divulgada nesta quinta-feira (24/10).

O que poderia ser uma boa notícia para os brasileiros acabou sendo ofuscado pelo forte declínio na classificação: na verdade, a nota brasileira teve uma ligeira melhora entre 2018 e 2019, mas, como os outros países melhoraram ainda mais, o Brasil acabou descendo alguns degraus.

LEIA TAMBÉM:
Com salários de até R$ 69 mil, guia mostra cargos em alta em 2020
Energia é o setor que mais abre empresas e construção, o que mais fecha
Quase metade de grandes e médias empresas não sobrevive à recuperação judicial

“O resultado não foi nada bom para o Brasil. Uma queda para 124º é algo para se lamentar e trabalhar para reverter, como temos feito deste o início do ano”, disse o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos da Costa.

No Fórum Econômico Mundial deste ano, em Davos, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que pretende levar o país para o grupo dos 50 primeiros colocados no ranking até o fim de 2022. No entanto, ao menos por ora, o Brasil afastou-se desse alvo em vez de se aproximar dele. Que se frise que o Banco Mundial coletou os dados entre fevereiro e março, ainda no início do atual governo.

O ranking analisa a facilidade de fazer negócios em 190 economias, com notas mais altas indicando que as regulações do ambiente de negócios são mais propícias ao empreendedorismo. No geral, a nota brasileira foi calculada em 59,1; em 2018, ela foi de 58,6.

Em relação ao ano passado, houve mudança de metodologia no indicador de proteção de interesse dos minoritários, o que reduziu a nota do Brasil. O pequeno avanço na pontuação ocorreu especialmente por causa de melhorias observadas em campos como registro de propriedades e aval para início de um negócio.

O primeiro lugar do Doing Business foi ocupado pela Nova Zelândia, seguida por Cingapura e Hong Kong. O Brasil ficou bem atrás de países como China (31º colocado), Turquia (33º), Chile (59º) e México (60º), mas à frente de vizinhos como Argentina (126º) e Venezuela (188º).

Clique aqui para ler a íntegra do Doing Business.

(Foto: Agência Brasil)

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta