Dormir é parte do sucesso: empresários que dormem mais têm melhores ideias

Leia também

Para ser bem-sucedido nos negócios, é preciso fazer sacrifícios, e isso inclui sacrificar horas de sono, certo? Não necessariamente. Pesquisas recentes divulgadas pela Harvard Business Review mostram que está na hora de rever o mito do empreendedor insone.

Uma série de três estudos analisou funções básicas requeridas por empreendedores iniciantes, como geração de novas ideias e análise de oportunidades, em diferentes estados de cansaço. O que os pesquisadores concluíram é que os empresários tendem a tomar decisões piores quando comparados a colegas mais descansados.

LEIA TAMBÉM:
A desmotivação dos trabalhadores brasileiros é alta. Por quê?
Um plano de dez anos: a lição de sucessão empresarial dada por Jack Ma, da Alibaba
Robôs e humanos serão colegas, e não rivais, diz estudo do MIT

O primeiro estudo analisou o comportamento de 784 participantes em relação a três materiais diferentes. Em cada um dos casos, os empresários precisavam analisar oportunidades de negócio criadas por um time de executivos e investidores. Das três ideias, duas eram potencialmente mais interessantes que a terceira. A terceira, entretanto, continha argumentos “superficiais” colocados justamente para enganar um olhar mais desatento.

Os participantes analisaram os materiais em diferentes estados de cansaço. Na conclusão, os pesquisadores perceberam que os mais cansados listavam a ideia menos atrativa como a com melhor potencial de negócio. Para o time de cientistas, isso mostra que quem dorme menos acaba tendo uma visão superficial sobre uma proposta, em vez de analisar o material como um todo.

Na segunda pesquisa, foram examinados 101 executivos em um período de dois dias. Nesse teste, eles eram obrigados a sugerir ideias de negócio. Mais uma vez, o estudo mostrou que os mais descansados conseguiram trazer propostas menos óbvias, além de desenvolver e defender as próprias ideias com argumentos melhores.

Por fim, um estudo foi conduzido com estudantes de empreendedorismo. Os jovens foram submetidos aos mesmos testes das turmas de empresários e executivos. Dessa vez, no entanto, foram separados dois grupos, um com mínimo de sete horas dormidas e outro com pessoas que não dormiam havia 24 horas. Mais uma vez, o grupo mais cansado se mostrou vítima “das superficialidades” e também incapaz de gerar ideias de negócio criativas.

“As ideias de negócios são abundantes, e adotar uma ideia errada no início pode prejudicar os esforços de um empreendedor para lançar seu negócio”, escreveram os autores. “Um passo em falso inicial pode até ser a diferença entre tornar-se um empreendedor de sucesso e um fracasso.”

Longe de ser um sinal de fraqueza, complementam os pesquisadores, o sono pode servir como um auxílio em estágio inicial para avaliar efetivamente as inúmeras oportunidades de negócios a serem perseguidas. Dormir na hora certa, como na noite anterior às tarefas de ideação e avaliação, melhorará os resultados.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Desemprego de jovens na pandemia pode criar “herança de décadas”

A pandemia ameaça criar uma geração perdida de jovens, afetados pelo aumento do desemprego e mais expostos a trabalhos precários. Mais de uma a...

Cresce o número de pessoas que evitam notícias sobre o coronavírus

Nos primeiros meses da pandemia, a busca por novidades sobre o assunto disparou. No fim de março, com o avanço do coronavírus, o tráfego...

Como Portugal tem combatido as fake news na pandemia

Por Marcos Freire*, de Ovar (Portugal), especial para o Vida de Empresa Parece não ser exagero dizer que as notícias sobre a pandemia - as...

Pandemia: anúncio com tom “estamos com você” já não mobiliza consumidor

Na pandemia, as pessoas passaram a consumir mais conteúdo - e isso inclui publicidade. Por um lado, isso reforça a importância de empresas e...

As vantagens dos escritórios que o home office (ainda) não tem

O trabalho remoto como norma, e não mais como exceção, tem sido amplamente considerado uma das mudanças trazidas pelo novo coronavírus que devem seguir...