Onze horas no trabalho, menos de sete de sono: o dia de um CEO brasileiro

Ao longo de um dia, os CEOs e altos executivos de grandes empresas brasileiras passam, em média, 11 horas no trabalho, 6,5 horas dormindo e dedicam outras cinco a questões pessoais. No intervalo em que estão dedicados à companhia, realizam reuniões de, em média, 1h18min. Essas são algumas descobertas da pesquisa “Tração e Impacto na Agenda de Líderes Essenciais”, realizada pela consultoria Blue Management Institute (BMI).

Para fazer o levantamento, a consultoria entrevistou, entre março e maio deste ano, 100 executivos de 71 empresas brasileiras ou com operações no país. Participaram do estudo líderes corporativos como Cristina Palmaka (SAP), Marcílio Pousada (Raia Drogasil) e Cesario Nakamura (Alelo), além de executivos de empresas como Ambev, Bayer, Bradesco, Raízen, Coca-Cola, Magazine Luiza, Unilever, JBS, GM, Roche, Ipiranga e IBM. Os dados foram publicados originalmente pelo site Neofeed.

LEIA TAMBÉM:
CEO decide pagar salário mínimo de R$ 300 mil a todos os funcionários. Por quê?
No Brasil, remuneração de executivos estimula foco no lucro de curto prazo
Dormir é parte do sucesso: empresários que dormem mais têm melhores ideias

As entrevistas também incluíram perguntas sobre temas prioritários para esses profissionais. Pessoas e relacionamentos foram os únicos itens citados por 100% dos entrevistados. Outros componentes em destaque foram cultura e organização, ressaltados por 96% dos participantes, e desenvolvimento profissional, por 92%.

A prioridade dada a pessoas e relacionamentos atesta uma maior abertura dos líderes empresariais ao diálogo, segundo a BMI. E esse aspecto também se estende a outras frentes. Enquanto a equipe consome 67,6% do tempo desses executivos, fornecedores, clientes, startups e outros parceiros concentram 23% dessa agenda.

Ao todo, 98% dos entrevistados disseram ser adeptos da comunicação e 94%, por telefone – a pergunta oferecia a opção de múltiplas respostas. Mas, como destaca o Neofeed, é nos meios eletrônicos, citados por 84% dos entrevistados, que se percebem alterações mais significativas. A pesquisa atestou forte crescimento no uso de aplicativos de conferência e de mensagens em detrimento de e-mails ou mesmo de videoconferências mais robustas.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta