Por que o maior bilionário europeu está investindo US$ 1 bi em uma loja em Paris

Leia também

Dono do império da moda e luxo LMVH e com um patrimônio de US$ 76 bilhões em 2018, segundo a revista Forbes, Bernard Arnault é o homem mais rico da Europa e o quarto do mundo. Pois, do alto de sua incontestável capacidade de enxergar oportunidades no varejo voltado a consumidores de altíssimo poder aquisitivo, ele decidiu ir na contramão da tendência do varejo eletrônico e do fechamento de shopping centers nos Estados Unidos e investir US$ 1 bilhão para reformar e reabrir a loja física Samaritaine, em Paris.

A centenária loja de departamentos abriu suas portas em 1869 e foi um motor do varejo da capital francesa na época. Mas, com o passar dos anos, a loja começou a ter resultados negativos. Seus problemas apareceram na década de 70, e em 2005 ela foi fechada.

LEIA TAMBÉM:
Caio Blinder: banco suíço investe na melhoria de imagem dos bilionários
Após zerar suas emissões de carbono, Gucci quer levar iniciativa a mais empresas
Por que a indústria do luxo é a que mais cresce no ranking global de marcas

Um dos motivos alegados para o fechamento foi sua infraestrutura, bastante ruim. Arnault decidiu dar vida nova à loja, que tem inauguração prevista para abril de 2020 – e volta à vida graças à aposta do empresário na demanda dos consumidores chineses, que estão entre os grandes responsáveis pelo crescimento da indústria de luxo no mundo.

De um lado, o ambiente terá o hotel Cheval Blanc, restaurantes, escritórios e um spa cinco estrelas da marca Christian Dior. Do outro, o espaço será preenchido pela DFS — varejista que pertence à LVMH —, conhecida por vender perfumes Givenchy e bolsas Fendi isentas de impostos para compradores chineses.

O shopping terá mais de 600 marcas, e a DFS prevê que milhões de pessoas visitem o local. “O número de visitantes entrangeiros em Paris está aumentando a cada ano. Os clientes estão cada vez mais exigentes na seleção de produtos e na experiência que você oferece”, disse à agência Bloomberg Eleonore de Boysson, presidente regional da DFS, .

Os ônibus de turismo vão poder usar o estacionamento do Museu do Louvre, ajudando a evitar lotação nas calçadas. “Em um mercado altamente competitivo de Paris, era essencial nos destacarmos”, afirma Eleonore.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Desemprego de jovens na pandemia pode criar “herança de décadas”

A pandemia ameaça criar uma geração perdida de jovens, afetados pelo aumento do desemprego e mais expostos a trabalhos precários. Mais de uma a...

Cresce o número de pessoas que evitam notícias sobre o coronavírus

Nos primeiros meses da pandemia, a busca por novidades sobre o assunto disparou. No fim de março, com o avanço do coronavírus, o tráfego...

Como Portugal tem combatido as fake news na pandemia

Por Marcos Freire*, de Ovar (Portugal), especial para o Vida de Empresa Parece não ser exagero dizer que as notícias sobre a pandemia - as...

Pandemia: anúncio com tom “estamos com você” já não mobiliza consumidor

Na pandemia, as pessoas passaram a consumir mais conteúdo - e isso inclui publicidade. Por um lado, isso reforça a importância de empresas e...

As vantagens dos escritórios que o home office (ainda) não tem

O trabalho remoto como norma, e não mais como exceção, tem sido amplamente considerado uma das mudanças trazidas pelo novo coronavírus que devem seguir...