Por que a Tok&Stok criou espaços gratuitos de coworking em suas lojas

As lojas da varejista de móveis e artigos de decoração Tok&Stok são hoje também espaços de coworking. E isso não significa que a rede mudou de ramo ou ampliou seus negócios ao atuar em um novo segmento: o serviço é gratuito e não exige agendamento prévio. Basta chegar à loja e se instalar em um de seus ambientes de escritórios. A internet de alta velocidade também está incluída.

A iniciativa, batizada de Kwork, começou em abril, em um projeto-piloto lançado na loja da rede localizada em Pinheiros, bairro da zona oeste de São Paulo. No fim de setembro, a empresa levou a ideia a quase 50 lojas, espalhadas por 34 cidades do país. O coworking da Tok&Stok só não está disponível nas unidades Compacta, de menor porte.

LEIA TAMBÉM:
Como a Alibaba mudou o e-commerce global com a “Black Friday chinesa”
Por que o maior bilionário europeu está investindo US$ 1 bi em uma loja em Paris
De estrela a empresa com fundador deposto: a louca trajetória da WeWork

Mas por que uma empresa que vende móveis e itens de decoração vai oferecer de graça um serviço que não só é cobrado em outros locais como está em franca expansão? Entre 2015 e 2018, o número de espaços de coworking cresceu 400% no país, de acordo com a última edição do Censo Coworking Brasil. São, hoje, quase 1,2 mil desse locais espalhados pelo território nacional.

O raciocínio, diz a rede, é o de mudar seu relacionamento com os clientes. Assim, as lojas deixam de ser apenas um local de venda de produtos para ser também espaços de convivência – como ocorre, por exemplo, com os shoppings. “Queremos colocar as nossas lojas a serviço dos clientes de diferentes maneiras”, afirma, em nota, Ivan Murias, CEO da Tok&Stok.

E isso tem a ver com a chamada jornada de compra, os quatro estágios pelos quais o consumidor passa entre saber da existência de um produto ou serviço até efetivamente adquiri-lo. “Sabemos que atualmente a jornada de compra de móveis passa pelo ambiente online, mas que muitas vezes a decisão final é feita na loja”, diz Maurício Ferro, chefe de marketing da Tok&Stok. “Em algumas decisões, as pessoas precisam conhecer e testar os produtos.”

Assim, os espaços de coworking passam a ser um chamariz para que consumidores em potencial, o que aumenta o fluxo de pessoas nas lojas. Segundo Ferro, a iniciativa “atende perfeitamente o comportamento de compra omni.” Ele faz referência ao fenômeno do omnichannel, no qual o consumidor utiliza mais de um canal para fazer uma compra.

O Censo Coworking Brasil mostra que a estratégia da Tok&Stok pode mesmo ser acertada – e sem que isso signifique uma concorrência desleal com os serviços pagos de escritório compartilhado. Segundo a pesquisa, 42% dos usuários desse tipo de serviço afirmam haver poucos espaços de coworking em suas cidades. 

Como diz o mote da criação da rede Kwork, “qual será seu escritório hoje?”

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta