Importações de produtos químicos somam US$ 5,3 bilhões no primeiro bimestre

Leia também

O déficit acumulado da balança comercial de produtos químicos atingiu US$ 3,2 bilhões nos dois primeiros meses do ano. O valor representa aumento de 1,7% em relação ao mesmo período do ano passado. No primeiro bimestre de 2017, as importações de produtos químicos, de praticamente US$ 5,3 bilhões, registraram uma elevação de 6,2% em relação ao mesmo período de 2016. Já as exportações, de US$ 2,1 bilhões, apresentaram crescimento de 14,0% na mesma comparação.
Especificamente no mês de fevereiro, as compras externas de produtos químicos chegaram a US$ 2,5 bilhões, um decréscimo de 6,8% em relação ao mesmo mês no ano passado. Já as exportações atingiram praticamente US$ 1,0 bilhão, equivalentes a uma retração de 8,2% em igual comparação.
Puxada por forte alta de 64,7% em valor e de 93,9% em volume importado, os intermediários para fertilizantes foram o principal item da pauta de compras externas brasileiras de produtos químicos, com aquisições de US$ 1,0 bilhão e de 4,6 milhões de toneladas no primeiro bimestre deste ano. Já as resinas termoplásticas foram os produtos químicos mais exportados pelo País com vendas de US$ 395,4 milhões, um aumento de 9,4% em relação ao primeiro bimestre de 2016.
Nos últimos 12 meses (março de 2016 a fevereiro de 2017), o déficit em produtos químicos é de praticamente US$ 22,1 bilhões, fato que deve ser circunstanciado pela tendência de retomada de importações verificada nos últimos meses, mas a preços muito abaixo do histórico verificado nos últimos anos. “Desde o último trimestre de 2016, é inquestionável a intensificação do volume das importações brasileiras de produtos químicos, principalmente daqueles relacionados ao agronegócio. Essa é uma das grandes preocupações para a indústria química no contexto da possível retomada econômica que se espera para 2017, uma vez que, caso os preços médios estivessem nos níveis verificados nos últimos anos (atualmente estão 48,6% menores em relação ao preço médio de 2013), o déficit setorial poderia ter sido recorde para os primeiros meses do ano”, alerta a Diretora de Assuntos de Comércio Exterior da Abiquim, Denise Naranjo.
Fonte: ABIQUIM
- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...