Brasil é o segundo país mais insatisfeito com serviços públicos

Leia também

Estudo global revela que 76% da população do mundo sente que a economia de seus países favorece os mais ricos e poderosos. O levantamento foi feito pela Ipsos, que ouviu mais de 18 mil pessoas em 23 países, incluindo o Brasil. O resultado da pesquisa traça um amplo panorama com as principais percepções sobre serviços públicos, presença da mulher no ambiente profissional, globalização e outros aspectos importantes da sociedade atual. Confira abaixo alguns dos principais pontos no Brasil e no mundo:
Mundo

  • 76% das pessoas em todo mundo sentem que a economia de seus países é manipulada em benefício dos ricos e poderosos;
  • O mundo é considerado um lugar cada vez mais perigoso para 82% dos entrevistados;
  • 79% dos participantes acham que o mundo está mudando muito rápido;
  • 74% acreditam que gays e lésbicas devem ser livres para viverem suas próprias vidas como quiserem;
  • 57% dos entrevistados acham que seria melhor se mais mulheres ocupassem cargos no governo e no país. As nações que mais concordam são: Índia (79%), Turquia (72%), África do Sul (70%) e Brasil (69%);
  • O papel das mulheres na sociedade é ser boa mãe e esposa, de acordo com 37% da população global;
  • 55% dos entrevistados acham que a globalização é boa para o seu país. Mas a Europa Ocidental – incluindo Grã-Bretanha, França e Espanha –, é a mais pessimista com relação à globalização;
  • 69% das pessoas, globalmente, sentem que precisam mais de guias e mentores do que de políticos.

Brasil

  • O Brasil é o segundo país mais insatisfeito com os serviços públicos (70%), atrás apenas do México (71%);
  • 84% querem ter mais autonomia em suas vidas e depender cada vez menos de qualquer autoridade externa;
  • 85% acreditam que para alcançar as coisas na vida é necessário assumir mais riscos do que nunca;
  • 77% são favoráveis que gays e lésbicas devem ser livres para viverem suas próprias vidas como quiserem;
  • O papel das mulheres na sociedade é ser boa mãe e esposa, de acordo com 43% da população brasileira, fazendo com que o pais verde-amarelo fique na quinta colocação, atrás de Indonésia (76%), Rússia (69%) Índia (64%) e Turquia (47%).
- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...