Entidades se posicionam sobre a redução da taxa Selic

Leia também

Segundo análise da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o Banco Central surpreendeu ao reduzir a Taxa Selic em 1 ponto percentual, passando dos 11,25% para 10,25% ao ano. O ritmo de queda foi igual ao das duas últimas reuniões (1 p.p.) e foi maior do que as apostas do mercado que indicavam queda entre 0,5 p.p. a 0,75 p.p.
Essa redução, segundo a Federação, ignorou o aumento das incertezas causadas pela mais nova crise política que o País atravessa no momento e pareceu um pouco ousada, mesmo que a inflação permaneça em queda e o desemprego siga em níveis elevados. A FecomercioSP espera que essa decisão se comprove acertada nos próximos meses com a redução das incertezas.
A FecomercioRJ também se posicionou sobre o assunto, apontando que baixar os juros constitui uma necessidade para a economia real, em paralelo a outras medidas estruturais na economia, como a desburocratização e o equilíbrio fiscal.
Já para a Fiesp, o Banco Central errou ao não promover corte mais incisivo da taxa de juros, pois as expectativas de inflação tanto para 2017 quanto para 2018 seguem abaixo da meta de 4,5%. Ao não acelerar a queda dos juros, o Banco Central retarda o processo de retomada da economia e da geração de emprego, apontou a entidade.
Para a Associação Comercial de SP, a redução deveria ter sido ainda maior. De acordo com a ACSP, a decisão foi bem-vinda, mas a inflação está caindo muito mais do que os juros, o que significa, na prática, que a taxa de juros real está crescendo, o que é ruim para o consumidor e para a economia em geral.
A CSB, Central dos Sindicatos Brasileiros, aponta que o corte anunciado ontem não surte o efeito necessário para destravar a economia e lembra que o Brasil continua com uma das mais altas taxas de juros do mundo, o que impede o crescimento de setores importantes para o desenvolvimento nacional. A mesma percepção tem a Força Sindical, que se posicionou afirmando que a redução de um ponto percentual pouco servirá para alavancar a economia brasileira e que o Banco Central deveria ser mais arrojado.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...