Fecomércio MG aponta melhora nas finanças pessoais

Leia também

O primeiro semestre de 2017 apresentou um cenário mais favorável para as finanças pessoais, de acordo com a Pesquisa de Orçamento Doméstico, elaborada pela Fecomércio MG. O estudo mostra que o percentual de consumidores de Belo Horizonte que faz o planejamento financeiro subiu de 62,2%, em dezembro de 2016, para 68,5%, em junho deste ano. O índice ainda é inferior aos 73,3% apurados no mesmo mês de 2016. No entanto, nesse período, o total de pessoas que programa os gastos mensais e ainda conta com sobra de dinheiro saiu de 50% para 59,3%. No final do ano, eram 45,4%. Além disso, o número de entrevistados que recorre a algum tipo de financiamento para cobrir despesas cotidianas recuou significativamente: de 42,1% para 30,1%.

O economista da Federação, Guilherme Almeida, destaca a importância desses resultados positivos, mas acrescenta que é preciso que a prática de alinhar receitas e despesas se torne efetivamente um hábito para os brasileiros, sendo mantida de forma mais rígida e contínua. O levantamento revela que, por enquanto, essa situação está distante: apenas 24,2% dos entrevistados que elaboram o orçamento doméstico conseguem cumpri-lo à risca. Já 32,2% realizam as metas parcialmente, enquanto 12,1% não respeitam a planilha proposta. Outro problema é que o total de pessoas que efetuam compras não programadas mantém trajetória crescente nos últimos dois anos: subiu de 25,1%, em junho de 2015, para 31,1%, em dezembro de 2016, e agora chegou a 33,4%.

O estudo da Fecomércio MG também indica que a energia elétrica, citada por 46% das famílias, exerce o maior peso no orçamento. Em seguida, aparecem alimentação/supermercado (39,9%) e água (29,4%). A forma de pagamento priorizada atualmente é o cartão de crédito, apontado por 40,3% dos belo-horizontinos. Esse contexto é diferente do observado na análise de dezembro de 2016, na qual o dinheiro se destacava, com 40,5%, contra apenas 20,8% de consumidores que utilizavam o plástico para essa finalidade.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...