Brasil exporta 33 milhões de sacas de café

Leia também

O Brasil exportou cerca de 33 milhões (32.906.287) de sacas de café no encerramento do ano safra 2016/2017 (julho de 2016 a junho de 2017), resultando na receita cambial de US$ 5,6 bilhões, acréscimo de 5,0% em relação ao período anterior, e preço médio de US$ 171,48 – incremento de 13,4% em comparação ao ano safra 2015/2016. As informações fazem parte do mais recente relatório divulgado pelo Cecafé – Conselho dos Exportadores de Café do Brasil, entidade que representa e promove ativamente o desenvolvimento do setor exportador de café no âmbito nacional e internacional, com 139 associados, entre exportadores de café, produtores, associações e cooperativas no Brasil, correspondendo a 95% dos agentes desse mercado no país.
Considerando-se apenas o desempenho de junho, o total de exportação do café brasileiro apresentou uma queda de 16,3%, registrando o volume de 2.051.611 sacas embarcadas. No mês, a receita cambial alcançou US$ 341,8 milhões que resultou no preço médio da saca em US$ 166,63, aumento de 13,5% na comparação com o valor médio de junho 2016. No acumulado do ano civil (janeiro a junho de 2017), o Brasil exportou 14,9 milhões de sacas. O volume representa um decréscimo de 8,4%, na comparação com o mesmo período do ano passado. A receita cambial do ano civil teve um aumento de 8,2%, chegando a US$ 2,6 bilhões.
Os Estados Unidos mantiveram a liderança do consumo do café brasileiro com 6.431.043 sacas, correspondendo a 19,5% do total. Na sequência, a Alemanha aparece com 5.881.811 sacas, sendo 17,9%. A lista ainda conta com a Itália com 2.990.189 sacas (9,1%), Japão com 2.337.667 sacas (7,1%) e Bélgica com 1.957.223 (5,9%). Destaca-se ainda no período o aumento das exportações de café para a Rússia (15,7%), Turquia (20,4%) e França (15,7%). Já no acumulado do ano civil (de janeiro a junho de 2017), os Estados Unidos seguem na primeira posição com 2.921.857 sacas e 19,6% do mercado. As demais posições se mantêm com Alemanha com 2.635.650 sacas (17,7%); Itália com 1.405.822 sacas (9,4%); Japão com 1.047.367 sacas (7%) e Bélgica com 925.574 sacas (6,2%).
Os cafés diferenciados atingiram 4.869.012 sacas no ano safra (2016/2017). No acumulado do ano civil (de janeiro a junho 2017), os cafés diferenciados registraram 2.175.180 sacas. Os principais destinos, no ano civil, seguem sendo Estados Unidos (397.742 sacas), Alemanha (317.377 sacas), Bélgica (297.197 sacas), Itália (211.084 sacas), Japão (209.220 sacas).
No ano civil (de janeiro a junho de 2017), o preço médio foi de US$ 173,50, um incremento de 18,1% na comparação com mesmo período em 2016, quando a média foi de US$ 146,88.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...