Como agir quando você for muito interrompido em reuniões

Leia também

Poucas pessoas gostam de ser interrompidas durante as discussões em grupo – e por um bom motivo. Além da frustração – e, a depender do tom da conversa, da desmoralização -, a experiência de ter colegas insistentemente te interrompendo em reuniões pode prejudicar seu avanço na carreira, de acordo com a orientadora de líderes Tania Luna.
“Nós associamos participação com poder”, disse Luna à Fast Company. Ela observa um “círculo vicioso” em que aqueles que se sentem desproporcionalmente interrompidos nas reuniões participam menos, dificultando a percepção do valor único que você tem. Enquanto isso, aqueles que falam (e talvez também interrompam) podem reforçar sua visibilidade e obter acesso a outras conversas, projetos e promoções que avançam na carreira.
Aqui estão algumas sugestões da especialista sobre como se portar nesse momento incômodo.
1. Conheça as normas de sua empresa ou entidade
Ao observar regras, etiqueta ou padrões nos estilos de comunicação dos participantes, pergunte-se:

  • Como – e com que frequência – os participantes da reunião interrompem um ao outro?
  • Que tipos de interrupções estão ocorrendo? Eles aparecem relacionados à dinâmica do poder (por exemplo, os gerentes tendem a interromper seus subordinados diretos)? Com que frequência a tecnologia – falar ao telefone, por exemplo – é um fator?
  • Existem práticas institucionais para mitigar interrupções? (Exemplo: post-its para que os participantes anotem comentários que pensam enquanto alguém está falando, encorajando-os a “estacionar” o pensamento em vez de interjeição.)

2. Prepare algumas frases
Anote algumas linhas para usar logo após você ter sido interrompido. Planejar com antecedência é uma ótima maneira de se proteger contra a tendência humana natural de entrar em pânico e ficar sem reação no momento da interrupção. Pode ser algo na linha “Antes de prosseguirmos, eu gostaria de concluir meu pensamento”. Dizer algo tão direto como “Eu não terminei”, por exemplo, pode ser eficaz em uma cultura que prega a objetividade, mas, em outros contextos, pode não ser uma maneira produtiva de entrar novamente na conversa.
3. Chegue com tudo
Como regra geral, quanto mais cedo você conseguir ter sua voz ouvida em uma reunião, melhor. No livro The Checklist Manifesto, o cirurgião Atul Gawande explora o impacto disso dentro das equipes cirúrgicas. Quando todos os membros de uma equipe informaram seus nomes uns aos outros antes da cirurgia, Gawande não apenas notou um impacto positivo na disposição dos membros da equipe em falar durante o procedimento: ele também observou uma diminuição de 35% no número médio de complicações cirúrgicas e mortes. Gawande atribui essa queda, em parte a um “fenômeno de ativação”. Quando os membros da equipe participam desde o início, eles sentem uma maior responsabilidade e conforto para encarar os problemas mais tarde.
4. Presuma que há boa intenção
Muitas vezes supomos que quem nos interrompe age com certa arrogância e má-intenção, diz Luna. Mas, além de reconhecer que as personalidades e experiências das pessoas são muito diferentes, a especialista recomenda que você se livre de qualquer estigma negativo que esteja mantendo contra aqueles que o interrompem. Lembre-se de que as pessoas que repetidamente o interrompem podem não perceber como você as percebe (e que muitos ficariam felizes em ouvir isso). Mesmo nos raros casos em que o quem interrupte está agindo de forma consciente ou maliciosa, presumir o contrário pode ajudá-lo a reagir com mais confiança e menos emotividade.
(Foto: Antenna)

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Live commerce movimenta US$ 157 bi e emprega 1,7 milhão na China

Que a pandemia turbinou o aumento das vendas online em todo mundo não é nenhum segredo. Mas, para os muitos que afirmam que isso...

Pesquisa Global aponta que 79% das pessoas acreditam que infraestrutura será base da recuperação pós-Covid

Um levantamento publicado nesta semana globalmente pelo Ipsos com a Associação Global do Investidor em Infraestrutura ( GIIA, na sigla em inglês)  mostra que...

Por sustentabilidade, Harley-Davidson lança bicicletas elétricas

Poucas coisas no mundo dão mais a sensação de liberdade que uma moto, especialmente se ela for uma Harley-Davidson. Mais que uma marca, a...

Estudo aponta pessimismo e falta de inovação de empresas brasileiras

Um estudo global realizado pela Nielsen, em parceria com a McKinsey mostra que as empresas na América Latina — incluindo o Brasil — ainda...

Aalbers, da Control Risks: Investidores mais cautelosos no Brasil por corrupção

Geert Aalbers, sócio da Control Risks e que dirige a companhia no Brasil e Cone Sul, afirma que a piora no cenário do combate...