Se todos pagassem, teríamos menos impostos, diz secretário da Receita

Leia também

Estudo aponta pessimismo e falta de inovação de empresas brasileiras

Um estudo global realizado pela Nielsen, em parceria com a McKinsey mostra que as empresas na América Latina — incluindo o Brasil — ainda...

Pesquisa Global aponta que 79% das pessoas acreditam que infraestrutura será base da recuperação pós-Covid

Um levantamento publicado nesta semana globalmente pelo Ipsos com a Associação Global do Investidor em Infraestrutura ( GIIA, na sigla em inglês)  mostra que...

Em mensagem de fim de ano, o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, defendeu o enfrentamento à sonegação e às fraudes na arrecadação de impostos. Ele também destacou o trabalho do órgão no combate à concorrência desleal.
“Existe um trabalho muito forte para coibir a concorrência desleal. Se todos os contribuintes pagassem, todos pagariam menos. É isso que nós queremos”, disse o secretário no vídeo que foi ao ar no site do Ministério da Fazenda no último dia 24.
Para Rachid, o trabalho da Receita está na origem de investigações de casos de corrupção. “Muitas dessas operações [contra a corrupção] foram iniciadas pelo trabalho das equipes da Receita Federal, das equipes de inteligência ou mesmo de fiscalização”, disse ele, segundo a Agência Brasil.
No vídeo, o secretário da Receita Federal faz um balanço da gestão do governo no setor e cita os avanços nos atendimentos virtuais personalizados, que chegam a 90% dos casos, e no tempo de abertura de empresas, que foi reduzido no país. “Chegamos agora a 48% das aberturas de empresas de até três dias. No conjunto total, 81% em até uma semana, então foi muito expressiva a redução de tempo”.
Rachid também ressaltou a conclusão parcial do portal único de comércio exterior, que já está em funcionamento para exportação, faltando ainda a etapa da importação. Segundo ele, a ferramenta vai permitir a redução, no caso da burocracia exigida para a exportação, de 14 dias para 6,4 dias, aproximadamente. “Fora a redução de 90% em termos de documento, 60% em termos de preenchimento de formulários”.
Reforma tributária
Segundo Jorge Rachid, a Receita Federal deve seguir investindo nesse processo de simplificação tributária como forma de melhorar o ambiente de negócios. Ele defendeu que as mudanças no setor devem ser contínuas e não precisam estar vinculadas a um único projeto e citou o caso do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).
“No âmbito federal, nós temos o PIS/Cofins, que corresponde a aproximadamente a 4% do PIB [soma dos bens e serviços produzidos no país], em termos de carga tributária. Hoje ele é um tributo muito complexo, que gera litígio, gera dúvidas por parte do contribuinte, até para os agentes do Fisco. Essa mudança é feita de forma infraconstitucional. Então, como já dito, reforma tributária não é um grande evento, é um processo. E dentro desse processo, podemos e devemos avançar muito para melhorar o ambiente de negócios no Brasil”, disse.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Live commerce movimenta US$ 157 bi e emprega 1,7 milhão na China

Que a pandemia turbinou o aumento das vendas online em todo mundo não é nenhum segredo. Mas, para os muitos que afirmam que isso...

Pesquisa Global aponta que 79% das pessoas acreditam que infraestrutura será base da recuperação pós-Covid

Um levantamento publicado nesta semana globalmente pelo Ipsos com a Associação Global do Investidor em Infraestrutura ( GIIA, na sigla em inglês)  mostra que...

Por sustentabilidade, Harley-Davidson lança bicicletas elétricas

Poucas coisas no mundo dão mais a sensação de liberdade que uma moto, especialmente se ela for uma Harley-Davidson. Mais que uma marca, a...

Estudo aponta pessimismo e falta de inovação de empresas brasileiras

Um estudo global realizado pela Nielsen, em parceria com a McKinsey mostra que as empresas na América Latina — incluindo o Brasil — ainda...

Aalbers, da Control Risks: Investidores mais cautelosos no Brasil por corrupção

Geert Aalbers, sócio da Control Risks e que dirige a companhia no Brasil e Cone Sul, afirma que a piora no cenário do combate...