Com entidades do setor, nasce a Frente Parlamentar da Economia Digital

Leia também

Criada com o apoio de entidades que representam o setor, a Frente Parlamentar Mista da Economia e Cidadania Digital já saiu do papel e entrou na vida do Congresso Nacional. O grupo parlamentar é presidido pelo deputado João Henrique Caldas (PSB-AL) e coordenado por Vinícius Poit (NOVO-SP).
O grupo suprapartidário nasce com a adesão de 201 deputados e 11 senadores. Entre suas pautas estarão temas como popularização da internet no país, uso de aplicativos para mobilidade urbana, cibersegurança, dados abertos, finanças e serviços legais.
LEIA TAMBÉM:
Com participação da Abit, nasce a Frente Parlamentar da Indústria Têxtil
O que dizem AB2L e OAB sobre as lawtechs, as startups da área jurídica
Entidades de classe e governo vão debater iniciativas para a indústria 4.0
Com a Anafima, indústria da música agora tem sua própria Frente Parlamentar
No lançamento da Frente Parlamentar, na última terça-feira (7/5), o deputado João Henrique Caldas disse que pretende reunir stakeholders de todos os níveis que podem, em algum momento, colaborar para o desenvolvimento do setor. “Esse grupo bicameral de parlamentares nasce com o ambicioso objetivo de ser a ponte entre o passado e o futuro do país, preparando o Brasil para a revolução digital em curso e as mudanças impostas por essa revolução”, afirmou.
O deputado argumentou ainda que conectividade tem de ser uma das preocupações essenciais do governo para possibilitar o desenvolvimento brasileiro e que os marcos regulatórios são retrógrados e não estão preparados para temas como internet das coisas. Segundo ele, o debate sobre educação também caminha junto dos debates de inovação.
Na cerimônia, o secretário de Governo Digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro, ressaltou que, apesar de o governo ter hoje mais de 2500 serviços online, apenas 25% da população entrevistada diz ter interagido com o Estado pela internet. O país tem a quarta maior população digital, mas é o 44º em oferta de governo digital, tendo só 41% dos serviços totalmente digitalizados.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes