Ordem dos Advogados de NY cria força-tarefa para revigorar imprensa regional

Desde a década passada, veículos de imprensa tradicionais de todo o mundo têm lutado para se reinventar – e sobreviver – no avanço da era digital. Em meio ao fracasso de muitas títulos e empresas nessa frente, nos Estados Unidos, o segmento ganhou o reforço que, para muita gente, é surpreendente: o do mundo jurídico.
Nesta semana, a Ordem dos Advogados do Estado de Nova York anunciou um conjunto de medidas para fortalecer o jornalismo de alcance local, que é o que mais tem sofrido com as mudanças da indústria. Segundo a entidade, apenas em Nova York, o número de veículos regionais diminuiu em mais de um terço nos últimos 15 anos.
LEIA TAMBÉM:
– Google vai financiar trabalho de associações brasileiras de defesa do jornalismo
– Unidas, entidades dos EUA arrecadam US$ 15 milhões para imprensa local
– As lições de reinvenção da Associação de Correspondentes da Casa Branca
A iniciativa mostra como entidades de classe podem se envolver com causas que, diretamente, não dizem respeito ao segmento, mas que, indiretamente, beneficiam não apenas seus associados, mas toda a população. “O futuro do jornalismo local está em perigo, mas não houve grandes esforços para dar apoio ao setor”, disse, em comunicado, Henry Greenberg, presidente da BAR Association (como são chamadas as ordens de advogados nos EUA) de Nova York. “A NYSBA está dando seu primeiro passo firme para tentar resolver esse problema.”
A recém-formada Força-Tarefa para a Liberdade de Expressão na Era Digital terá como objetivo criar uma perspectiva jurídica sobre o problema. A entidade vai reunir líderes da indústria de mídia e também da área jurídica para falar sobre as questões que os jornais regionais enfrentam. O comitê é copresidido por David McCraw, vice-conselheiro geral do jornal The New York Times, e Cynthia Arato, sócia do escritório de advocacia Shapiro Arato Bach.
McCraw observou que a NYSBA estava bem preparada para liderar a questão, em parte por causa do relacionamento único que o jornalismo tem com o governo. “No entanto, devido à natureza especial do negócio de notícias, começando com o muro constitucionalmente imposto entre o governo e a mídia, o papel da lei em responder à crise não foi óbvio”, disse ele. “Com um elemento fundamental da democracia e da cultura cívica em risco, há uma necessidade imperiosa de avaliar se existem respostas legais adequadas à crise.”
O novo esforço surge em meio a uma onda de interesse em associações que auxiliam o campo do jornalismo, como registra o site Associations Now. Depois de uma rodada de demissões em várias empresas em janeiro, vários grandes grupos da indústria ofereceram assistência aos seus membros, enquanto grupos como a Associação de Mídia Local lançaram esforços para ajudar a mudar a situação com novas estratégias de negócios.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta