Veja três passos para fortalecer a comunidade virtual de sua associação

Leia também

Criar uma comunidade virtual para sua associação é um passo muito importante para manter o engajamento dos atuais membros da entidade e para atrair novos. Quando esse ambiente de troca de ideias e informações na internet está em pleno andamento, é sempre uma satisfação para o administrador ver o aumento da participação dos associados, a construção do conteúdo ganhar corpo e as métricas de audiência apontando para cima. Se esses quesitos estão todos em ordem, o que mais se pode querer?
Pois é importante ter em mente que, sim, sempre há algo a ser feito. Ao lançar uma comunidade virtual – um ambiente de interação entre a entidade e os associados que pode ser desenvolvido em redes sociais como Linkedin e Facebook, mas também pode ser construído do zero, fora dessas plataformas – para sua entidade, você vai perceber uma empolgação geral no início, mas, se você não pensar na estratégia para atrair mais membros para esse ambiente, a animação inicial se dissipa rapidamente.
LEIA TAMBÉM:
– Saiba quando é o momento de relançar a comunidade online de sua associação
– Associações têm dificuldade em ampliar diversidade de seus conteúdos, diz estudo
– Por que sua associação tem que dar mais peso ao email na comunicação digital
E como atrair novos associados para esse ambiente? Veja a seguir três passos para aumentar o tráfego de membros para sua comunidade virtual, segundo sugere a especialista em estratégias digitais Marjorie Anderson no blog Community by Association.
1. O marketing tem que ser um aliado
Uma comunidade virtual é uma ferramenta para sua associação falar com um público que talvez ela não tenha conseguido atingir no passado (isso, claro, se sua comunidade não for restrita apenas a membros). Esse canal é mais uma forma de atrair pessoas e apresentar a elas informações e recursos que sua associação oferece. Dito isso, essa é uma ótima oportunidade para você se conectar com a equipe de marketing da sua associação para que a comunidade on-line seja mais conhecida e vista como um canal que concentra informações sobre a entidade.
Mas é preciso fazer isso de maneira estratégica. Não se pode transformar a comunidade apenas em mais um canal para bombardear os associados com conteúdos que não serão muito úteis para eles. Esse é um equilíbrio delicado. Assim, a melhor maneira de evitar deslizes é participar desde o início da elaboração da estratégia de utilização desse canal para evitar que seu objetivo inicial – o de criar valor para os associados com a oferta de conteúdos e informações de fato relevantes – se desvirtue.
2. A comunidade on-line pode (e deve) ser também off-line
Transformar sua comunidade on-line também em um grupo off-line, que cria laços na “vida real”, é uma grande vitória. Sim, as pessoas gostam de se reunir on-line e trocar ideias, mas não se pode subestimar a interação feita olho no olho. Ela cria uma conexão mais forte entre seus associados e um senso de comunidade, além de ajudar a aumentar a conscientização para aqueles que não participam do espaço on-line.
E como fazer isso? Traga sua comunidade on-line para o evento presencial da sua associação quando houver uma oportunidade. Certifique-se de estar no radar da equipe de eventos de sua entidade para que você consiga organizar esse encontro – em uma grande conferência anual de sua associação, por exemplo. Pegue algum espaço no salão de exposições ou ofereça um café da manhã ou jantar durante a conferência para que isso vire assunto. Esse “buzz” vai ser o chamariz de pessoas que normalmente não participam de espaços de discussão on-line. Assim, se fará o caminho inverso: os “membros off-line” vão querer entrar na comunidade virtual para participar do grupo que se conheceu on-line e passou a interagir também pessoalmente.
3. Organize um “open house” virtual
Abrir oficialmente sua comunidade virtual com algo que marque essa estreia ajuda as pessoas a entender por que esse espaço foi criado e faz os associados entenderem rapidamente os benefícios que terão ao participarem dele. Em 2015, quando a associação para a qual trabalhei lançou nossa nova comunidade on-line, quebramos a cabeça para bolar maneiras de envolver as pessoas. Um colega meu na época teve a ideia de um “open house” virtual. Comunicamos o evento em e-mails divididos em capítulos, nas newsletters dos associados e no site da associação.
No dia do lançamento, tivemos um tráfego pesadíssimo de gente querendo participar. Oferecemos de webinars e tópicos de discussão a um e-book para download; havia, enfim, muito conteúdo, e de coisas que as pessoas queriam saber. Isso ajudou a dissipar qualquer dúvida sobre como as pessoas poderiam interagir ou por que a comunidade virtual existia. A chave aqui é não deixar que o entusiasmo se apague. Continue a oferecer experiências semelhantes (não importa se grandes ou pequenas) para que as pessoas permaneçam engajadas.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes