Consumo: associações criam sistema para unificar informações de produtos

Leia também

A Associação Paulista de Supermercados (Apas) e a Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil) vão lançar um sistema de compartilhamento de informações de produtos com o objetivo de melhorar eficiência entre indústria e varejo. O sistema poderá ser contratado por meio de uma empresa nova que ainda não tem nome, mas com previsão de começar a operar no fim de setembro.
Segundo o Estadão Conteúdo, a plataforma tem como objetivo padronizar as informações de cada produto, seguindo uma norma de qualificação de dados. “Queremos ser um concentrador de todas essas informações, de forma que todo mundo que queira informação sobre aquele produto não vai ter dúvida na hora que recorrer a esse cadastro único”, diz Carlos Correa, superintendente da Apas.
LEIA TAMBÉM:
Associações apresentam primeiro ranking de ensino à distância do país
Em São Paulo, associações aderem a manifesto por imposto único
Nada tira mais o sono dos CEOs hoje do que a segurança digital, afirma estudo
A ideia é que a própria indústria determine quantos e quais atributos devem ser cadastrados para cada item e que essa ficha seja compartilhada com os varejistas. Hoje, o que acontece é que a indústria tem um cadastro e cada estabelecimento comercial faz o seu próprio, seguindo especificações distintas, o que pode gerar perdas.
De acordo com um estudo feito em parceria entre a consultoria Ernst & Young e a Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (Abrappe), em 2018, falhas operacionais foram responsáveis por 19% das perdas no varejo. Segundo a consultoria, elas poderiam ser minimizadas com técnicas de monitoramento.
Segundo o presidente da GS1 Brasil, João Carlos de Oliveira, o sistema nasce para atender a uma demanda do mercado. “Hoje acontece de as descrições da nota fiscal de um fabricante não conferirem com as do varejista. Isso gera perda de produto, pois a nota não é computada”, apontou.
Correa, da Apas, complementa: “Às vezes, a indústria tem, por exemplo, uma informação do produto, passa para o supermercado e quando ele cadastra o produto e emite a nota, sai com uma descrição que pode não ser a do fabricante. No caso de o consumidor ter uma nota fiscal e pedir uma garantia, é um inconveniente, tem um ponto de dúvida”, disse.
O cadastro único também incluirá fotos dos produtos, que auxiliam também as plataformas de comércio digital, que dependem do apoio de imagens para aumentar suas vendas.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Live commerce movimenta US$ 157 bi e emprega 1,7 milhão na China

Que a pandemia turbinou o aumento das vendas online em todo mundo não é nenhum segredo. Mas, para os muitos que afirmam que isso...

Pesquisa Global aponta que 79% das pessoas acreditam que infraestrutura será base da recuperação pós-Covid

Um levantamento publicado nesta semana globalmente pelo Ipsos com a Associação Global do Investidor em Infraestrutura ( GIIA, na sigla em inglês)  mostra que...

Por sustentabilidade, Harley-Davidson lança bicicletas elétricas

Poucas coisas no mundo dão mais a sensação de liberdade que uma moto, especialmente se ela for uma Harley-Davidson. Mais que uma marca, a...

Estudo aponta pessimismo e falta de inovação de empresas brasileiras

Um estudo global realizado pela Nielsen, em parceria com a McKinsey mostra que as empresas na América Latina — incluindo o Brasil — ainda...

Aalbers, da Control Risks: Investidores mais cautelosos no Brasil por corrupção

Geert Aalbers, sócio da Control Risks e que dirige a companhia no Brasil e Cone Sul, afirma que a piora no cenário do combate...