Supermercados perderam R$ 6,7 bi no Brasil com desperdício em 2018, diz Abras

Leia também

O setor de supermercados registrou perdas gerais de R$ 6,7 bilhões em 2018, segundo a nova edição do estudo sobre o tema realizada pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e que acaba de ser divulgada. O montante corresponde a 1,89% do faturamento bruto do setor e representa um avanço de 0,7 ponto percentual em comparação com o ano anterior, de acordo com a entidade.
As principais causas de perdas no setor supermercadista, informam os dados da pesquisa, foram quebra operacional (40%), furto externo (20%), erro de inventário (13%) e furto interno (7%). Já as categorias de produto que registraram maior desperdício em 2018 foram os refrigerantes, cervejas, cortes bovinos (exceto picanha), pilhas e baterias, chocolates em barra e tabletes, queijos, desodorantes, azeites e sabão em pó.
LEIA TAMBÉM:
– Abrelpe pede ao Congresso incentivo à política nacional de resíduos sólidos
– Consumo: associações criam sistema para unificar informações de produtos
– Cada ciberataque gera, em média, perda de US$ 7,2 milhões a empresas brasileiras
“As perdas e o desperdício estão entre os maiores desafios do setor supermercadista”, diz Carlos Peruzzi, coordenador do comitê de prevenção de perdas e desperdícios da Abras. “Nosso trabalho nos últimos anos tem sido o de desenvolver estratégias de prevenção para que essas perdas apresentem retração gradual.”
Ainda segundo os dados divulgados, entre as causas mais frequentes do desperdício operacional na classe de mercadorias perecível, a validade vencida aparece no topo da lista, com 36,9%. Em seguida estão as condições impróprias para consumo, com 30,3%.
O levantamento foi feito com base nas informações de 236 redes supermercadistas, que somam 3.532 lojas no país. Do total das participantes, 66% disseram ter um setor dedicado à prevenção de perdas na empresa; na edição anterior da pesquisa, a fatia foi de 68%. Entre os principais motivos citados pelos supermercadistas que não possuem uma área de prevenção de perdas estão o alto custo e a falta de retorno do investimento. “É muito importante entender que a prevenção não é gasto, e sim, investimento”, disse, em comunicado o presidente da Abras, João Sanzovo Neto.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Live commerce movimenta US$ 157 bi e emprega 1,7 milhão na China

Que a pandemia turbinou o aumento das vendas online em todo mundo não é nenhum segredo. Mas, para os muitos que afirmam que isso...

Pesquisa Global aponta que 79% das pessoas acreditam que infraestrutura será base da recuperação pós-Covid

Um levantamento publicado nesta semana globalmente pelo Ipsos com a Associação Global do Investidor em Infraestrutura ( GIIA, na sigla em inglês)  mostra que...

Por sustentabilidade, Harley-Davidson lança bicicletas elétricas

Poucas coisas no mundo dão mais a sensação de liberdade que uma moto, especialmente se ela for uma Harley-Davidson. Mais que uma marca, a...

Estudo aponta pessimismo e falta de inovação de empresas brasileiras

Um estudo global realizado pela Nielsen, em parceria com a McKinsey mostra que as empresas na América Latina — incluindo o Brasil — ainda...

Aalbers, da Control Risks: Investidores mais cautelosos no Brasil por corrupção

Geert Aalbers, sócio da Control Risks e que dirige a companhia no Brasil e Cone Sul, afirma que a piora no cenário do combate...