Como a Dell pretende reduzir seus rejeitos e fazer computadores mais “verdes”

Leia também

Para especialistas, pandemia humanizou debate sobre sustentabilidade

O debate sobre a adoção de uma agenda sustentável no cotidiano das empresas tem crescido ano a ano, mas não é recente. Com a...

A fabricante de computadores Dell lançou um programa de reciclagem de componentes há mais de uma década, mas acaba de revelar a decisão de dar um passo ainda mais forte em seus esforços para ser mais sustentável. Neste mês, a companhia americana apresentou um plano que inclui mudança completa de suas fontes de energia e forte redução de sua pegada de carbono.

Entre os compromissos assumidos pela Dell está o de, até 2040, substituir a energia que usa por fontes renováveis, além de racionalizar o seu consumo. A empresa também pretende, em dez anos, cortar pela metade as emissões de poluentes causadores do aquecimento global geradas por suas linhas de produção. A companhia quer ainda que seus fornecedores façam o mesmo.

LEIA TAMBÉM:
Após zerar suas emissões de carbono, Gucci quer levar iniciativa a mais empresas
Mercedes-Benz cria fazenda urbana na fábrica de São Bernardo do Campo
Caio Blinder: empresa Patagonia tem lucros e reputação nas alturas

As iniciativas também vão chegar aos pontos de venda: na troca do aparelho, o usuário poderá entregar o velho para ser reutilizado ou reciclado. Até 2030, a empresa espera alcançar as marcas de um produto novo para cada dispositivo a ser reciclado e metade de todos os materiais usados em seus produtos (assim como suas embalagens) composta por reciclados ou renováveis.

Desde 2008, a Dell mantém um programa de reciclagem, com o qual recebe também dispositivos de suas concorrentes. Mesmo assim, a empresa calcula ter recolhido menos de 10% do que produz. Dos componentes que ela utiliza, menos de 5% são reciclados ou renováveis.

O lixo eletrônico é um problema global. Por ano, 50 milhões de toneladas desse tipo de rejeito são descartadas no mundo. Segundo o Fórum Econômico Mundial, serão 120 milhões de toneladas até 2050. Mercúrio, cádmio, berílio e chumbo (causadores de deterioração do sistema nervoso, câncer e alterações genéticas), inertes quando dentro de monitores, celulares e baterias, são liberados no meio ambiente quando descartados inadequadamente.

Segundo a diretora do Centro de Empresas Sustentáveis e Competitividade Regional em Boston (EUA), Vesela Veleva, o setor ainda precisa trabalhar para criar aparelhos mais duradouros – o que nem a Dell nem as outras companhias fazem. “Elas não chegam ao cerne do problema, que é prolongar a vida útil do produto”, afirma. “Só a reciclagem não será suficiente.”

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Desemprego de jovens na pandemia pode criar “herança de décadas”

A pandemia ameaça criar uma geração perdida de jovens, afetados pelo aumento do desemprego e mais expostos a trabalhos precários. Mais de uma a...

Cresce o número de pessoas que evitam notícias sobre o coronavírus

Nos primeiros meses da pandemia, a busca por novidades sobre o assunto disparou. No fim de março, com o avanço do coronavírus, o tráfego...

Como Portugal tem combatido as fake news na pandemia

Por Marcos Freire*, de Ovar (Portugal), especial para o Vida de Empresa Parece não ser exagero dizer que as notícias sobre a pandemia - as...

Pandemia: anúncio com tom “estamos com você” já não mobiliza consumidor

Na pandemia, as pessoas passaram a consumir mais conteúdo - e isso inclui publicidade. Por um lado, isso reforça a importância de empresas e...

As vantagens dos escritórios que o home office (ainda) não tem

O trabalho remoto como norma, e não mais como exceção, tem sido amplamente considerado uma das mudanças trazidas pelo novo coronavírus que devem seguir...