Austrália inaugura o shopping mais sustentável do mundo

Vem da Austrália um exemplo de como o consumo pode ser também sinônimo de cuidado com o planeta. Aberto em Melbourne, o Burwood Brickworks, no qual a empresa Frasers, de Cingapura, investiu US$ 120 milhões, tem sido apresentado como o shopping center mais sustentável do mundo.

Seus 8 mil metros quadrados de área oferecem estrutura e serviços também disponíveis em outros empreendimentos do gênero, como estacionamento espaçoso, supermercado, lojas, cinema e salão de beleza. Mas é em outras características que ele se diferencia. Toda a energia que abastece o edifício, por exemplo, é obtida de fontes renováveis. Além disso, a água é tratada e reutilizada, e parte dos alimentos vendidos nos restaurantes sai da horta criada no terraço do prédio e das árvores frutíferas que ornamentam a fachada.

LEIA TAMBÉM:
Como a Mattel, fabricante da Barbie, pretende abolir o uso de plástico até 2030
Os erros que (quase) todas as empresas cometem nos relatórios de sustentabilidade
Após zerar suas emissões de carbono, Gucci quer levar iniciativa a mais empresas

E há mais. Os carrinhos de compras do supermercado são feitos de garrafas de leite recicladas, o estacionamento tem pontos de carregamento para carros elétricos e todos os lojistas são obrigados a usar materiais que gerem poucos resíduos e afetem o mínimo possível a qualidade do ar.

Esses cuidados já asseguraram ao empreendimento australiano a certificação Living Building Challenge, padrão de sustentabilidade criado pelo Living Future Institute – referência internacional por seu rigor. O Burwood Brickworks é o primeiro shopping center do mundo a receber essa certificação.

A julgar por comentários feitos nas redes sociais, a preocupação com a sustentabilidade tem sido boa também para os negócios. O marketing ambiental tem sido o grande chamariz do Burwood Brickworks, que, assim, faz frente a um desafio enfrentado por shopping centers de todo o mundo: a redução do fluxo de pessoas causada pelo avanço do comércio eletrônico. Houve críticas, sim, entre elas as de preços altos no local e o ainda reduzido número de lojas em operação, segundo registra a Fast Company, mas seus administradores acreditam que o número de lojistas crescerá rapidamente por causa, também, da boa imagem associada ao empreendimento.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta