Oito passos para gerenciar sua equipe durante a quarentena do coronavírus

home office coronavírus

A crise global do coronavírus é um desafio sem precedentes para a humanidade, e não apenas sob o aspecto da saúde pública ou da economia global, que já sente os efeitos da paralisação causada pela pandemia. Há obstáculos a serem superados também nas relações de trabalho, afetadas pela quarentena imposta por vários país, Brasil entre eles, para tentar deter o avanço da Covid-19, a infecção respiratória causada pelo vírus.

Em artigo para a Harvard Business Review, Timothy R. Clark, fundador e CEO da LeaderFactor, uma empresa de treinamento e consultoria de liderança com atuação internacional, apresenta oito recomendações para a gestão dos colaboradores que estão trabalhando à distância. Veja a seguir as sugestões do especialista:

1. Redefina suas expectativas

A maioria das equipes está habituada ao trabalho feito com os colegas por perto, seguindo horários e fluxos de atividades já conhecidos. A quarentena desarrumou essa rotina. Com isso, você precisará redefinir as expectativas de como o trabalho é realizado, deixando prazos e desempenho um pouco em segundo plano. Tenha clareza sobre os resultados que você quer atingir, mas respeite o tempo de cada colaborador neste momento de exceção.

2. Mantenha contato com regularidade

Ciclos de comunicação mais curtos funcionam melhor na construção e manutenção do moral e do engajamento. Use mensagens instantâneas para manter contato regular com seus subordinados. Não deixe que um deles fique sem receber um sinal seu durante metade do dia. Em alguns casos, convém fazer uma reunião todos os dias, de preferência por vídeo.

3. Estimule a aprendizagem, mas seja objetivo

O aprendizado não precisa parar neste momento de quarentena, mas ele pode ser mais prático se ocorrer em sessões curtas, de cinco ou dez minutos, abordando um único tópico. Esse tempo pode ser usado para se orientar um colaborador sobre uma nova ferramenta ou sobre uma habilidade específica.

4. Crie uma rede de apoio mútuo

Os gestores ficarão esgotados se, à distância, forem atender às necessidades de todos os membros da equipe. Para distribuir essa responsabilidade, organize os membros da equipe em pares, com deles sendo o orientado e o outro, o orientador. Esse modelo de liderança compartilhada cria uma segunda camada de apoio mútuo e serve como uma proteção contra o isolamento emocional.

5. Preste atenção em comportamentos

É mais difícil “ler” seu pessoal quando não se está no mesmo ambiente. Assim, sem poder observar elementos como a linguagem corporal, é preciso ver outros, tom e volume de voz ou comunicações por vídeo pouco frequentes. Se você conhece bem sua equipe, mudanças nesses padrões ajudarão a identificar desde cedo que se alguém precisa de um suporte adicional.

6. Alimente o otimismo 

O otimismo contagia. Líderes que demonstram esperança e confiança no futuro estão mais aptos a ajudar os membros de sua equipe a encontrar significado e propósito no trabalho, especialmente em condições estressantes, como as atuais. Ajude sua equipe a se livrar do medo. Por fim, tenha em mente que a privação pode ser um caminho para a inovação. Convide sua equipe a usar a quarentena como ferramenta para alimentar novas ideias.

7. Mantenha atualizações constantes, mesmo que não haja nada novo

A incerteza alimenta a ansiedade. Quanto mais você se comunica e compartilha, menor a chance de desenvolver um vácuo de informações em sua equipe. Comunique-se regularmente, mesmo que você não tenha novas informações para compartilhar. Manter a transparência ao longo de uma crise com atualizações frequentes é a expressão máxima de boa fé, empatia e preocupação genuína com seu time.

8. Avalie continuamente os níveis de estresse e engajamento

Deixe claro para os membros da sua equipe que sua principal preocupação é o bem-estar deles. Reserve um tempo para monitorar o engajamento, fazendo periodicamente duas perguntas rápidas a cada membro da equipe. Primeiro, em uma escala de zero a 10, avalie o nível de estresse que você sente atualmente. Segundo, usando a mesma escala, avalie seu nível de envolvimento geral. Nem sempre sua intuição vai funcionar. As respostas quantitativas podem ajudar nisso.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta