Na “infodemia”, o surto de desinformação, até o 5G é acusado pelo coronavírus

Leia também

Cinco anos atrás, Bill Gates, o fundador da Microsoft, disse em uma palestra na série de conferências TED que o mundo não estava preparado para uma pandemia. A crise do coronavírus trouxe essa declaração de volta à tona – e, com ela, surgiu também um relato estapafúrdio segundo a qual Gates seria, na verdade, o criador do vírus causador da covid-19. Conhecido por financiar, por meio da Fundação Bill & Melinda Gates, pesquisas que buscam a cura de doenças como malária e diarreia, o bilionário teria criado o novo coronavírus para em seguida oferecer uma vacina e aumentar ainda mais sua já enorme fortuna.

Como se a pandemia já não fosse problema suficiente, infelizmente, as pessoas ainda têm que enfrentar a desinformação criada pelas teorias da conspiração, que costumam circular sempre que há episódios de grande comoção popular, como o atual. Uma nova versão dessas “verdades”, tão presentes no universo das redes sociais, envolve o nome da empresa de telefonia Vodafone e a tecnologia de transmissão de dados 5G.

Vídeos com o título “Antigo chefe da Vodafone revela o segredo sobre o coronavírus e o 5G” começaram a aparecer no Youtube, postados por diferentes contas. Nele, um narrador anônimo, com um agradável sotaque inglês (supostamente o ex-CEO da Vodafone), explica que o 5G está envenenando nossas células e por meio de nossos telefones celulares. O coronavírus seria uma tentativa de nosso corpo de combater a radiação do sinal de telefonia.

É claro que a afirmação é completamente falsa. Já há textos científicos que refutam, ponto por ponto, as alegações dos criadores desses relatos mentirosos. Um modo muito óbvio de concluir que a “revelação” é falso está no fato de que o coronavírus chegou a quase 200 países – e a maioria deles sequer conta com rede 5G, tecnologia que ainda está em fase de implantação no mundo.

Ainda assim, infelizmente, há quem acredite – ou, no mínimo, solte um “eu já não duvido de mais nada”. O Youtube diz que tem trabalhado para eliminar informações erradas sobre a pandemia, mas, aparentemente, alguns desses vídeos têm conseguido furar o bloqueio.

Na crise do coronavírus, o volume teorias da conspiração e de alegações falsas é tão alto que a própria Organização Mundial da Saúde (OMS) já criou um termo para se referir a esse fenômeno:  trata-se da “infodemia”, a pandemia da desinformação. Na dúvida, nunca, jamais poste ou encaminhe esse tipo de conteúdo para seus contatos.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes