#NãoDemita: mais de 100 empresas já estão unidas contra demissões

Leia também

Um grupo de 41 empresas brasileiras criou o #NãoDemita, movimento que pretende conter ao máximo as demissões durante a pandemia da covid-19. Menos de uma semana após seu lançamento, o grupo já tem a adesão de mais de 100 companhias, de todos os setores e de todas as partes do país.

A crise econômica causada pelo coronavírus será severa no Brasil e em todo o mundo. Infelizmente, o desemprego vai crescer, mas há caminhos para tentar amenizar os efeitos dessa crise. O que o movimento propõe é que as empresas adiem os cortes de pessoal ao menos até o fim de maio.

Entre as fundadoras do grupo estão empresas como Lojas Renner, C&A, Magazine Luiza e BR Distribuidora, todas de setores fortemente afetados pela parada da economia. A presença de concorrentes que lutam no dia a dia pela preferência dos consumidores – casos de Boticário e Natura ou de BTG e XP – mostra que a iniciativa está acima da competição que se via antes do início da pandemia.

“Mantendo nossos quadros, ajudaremos a evitar ou minimizar um possível colapso econômico e social”, diz o manifesto do grupo. “Se você tem fábricas ou instalações, siga as orientações da OMS e do Ministério da Saúde. Crie um ambiente de trabalho em que as pessoas possam comer e trabalhar com distância física, e assim se sintam tão seguros quanto se estivessem em casa.”

Para além da manutenção dos empregos e dos cuidados com a saúde, o movimento reforça também a importância de apoiar os trabalhadores que não têm relação direta com os negócios de cada empresa. “Se você tiver força financeira, ajude as pessoas que moram nas nossas comunidades a terem condições de sobrevivência. Essas pessoas também são empreendedoras. São os vendedores de pipoca, de cachorro-quente, as manicures e diversos outros que não têm com quem contar. Elas também ajudam a levar o nosso país para frente, mas neste momento não podem sair de casa para lutar pela sobrevivência.”

Para saber mais sobre o #NãoDemita e assumir o compromisso de não demitir até o fim de maio, visite o site do movimento.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Desemprego de jovens na pandemia pode criar “herança de décadas”

A pandemia ameaça criar uma geração perdida de jovens, afetados pelo aumento do desemprego e mais expostos a trabalhos precários. Mais de uma a...

Cresce o número de pessoas que evitam notícias sobre o coronavírus

Nos primeiros meses da pandemia, a busca por novidades sobre o assunto disparou. No fim de março, com o avanço do coronavírus, o tráfego...

Como Portugal tem combatido as fake news na pandemia

Por Marcos Freire*, de Ovar (Portugal), especial para o Vida de Empresa Parece não ser exagero dizer que as notícias sobre a pandemia - as...

Pandemia: anúncio com tom “estamos com você” já não mobiliza consumidor

Na pandemia, as pessoas passaram a consumir mais conteúdo - e isso inclui publicidade. Por um lado, isso reforça a importância de empresas e...

As vantagens dos escritórios que o home office (ainda) não tem

O trabalho remoto como norma, e não mais como exceção, tem sido amplamente considerado uma das mudanças trazidas pelo novo coronavírus que devem seguir...