WhatsApp limita reenvio de mensagens para conter “pandemia de fake news”

Leia também

A partir desta terça-feira (7/4), o reenvio de mensagens pelo WhatsApp está mais restrito – e o novo coronavírus está por trás da mudança. O Facebook, dono do aplicativo, tomou a decisão de limitar o compartilhamento de conteúdo a uma conversa por vez depois de registrar um salto no volume de materiais mentirosos sobre a pandemia da covid-19, infecção respiratória causada pelo vírus.

A mudança foi adotada em todo o mundo. Desde o ano passado, os usuários do aplicativo, que tem mais de 2 bilhões de usuários, podem reenviar uma mensagem para apenas cinco pessoas ou grupos por vez; o limite anterior era de 20. O WhatsApp também passou a identificar qualquer mensagem enviada mais de cinco vezes.

“Acreditamos que é importante desacelerar a disseminação de mensagens encaminhadas para que o WhatsApp continue sendo um espaço seguro para conversas pessoais”, diz o comunicado distribuído pelo aplicativo. A própria Organização Mundial de Saúde (OMS) já atestou que a disseminação de notícias falsas sobre o novo coronavírus é um dos nocivos efeitos colaterais da doença. A entidade chamou esse fenômeno de “infodemia”, a pandemia da desinformação.

Além de coordenar os esforços globais de combate à doença, a OMS também tem trabalhado para tentar conter a disseminação das chamadas fake news. Uma das iniciativas foi a criação de um robô que dá, pelo WhatsApp, instruções confiáveis sobre o novo coronavírus. Desde esta segunda-feira (6/4), o robô também fala português.

Para conversar com o robô da OMS, adicione o número +41 22 501-7735, que é o contato da conta comercial da organização. Em seguida, basta mandar um “oi” para o perfil. Caso isso não funcione, clique no link https://wa.me/41225017735?text=oi. Você será remetido a uma página que perguntará se quer abrir o conteúdo no WhatsApp. Pressione “abrir” para iniciar a conversa.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes