Crise do coronavírus exige novas prioridades de conselhos das empresas

Leia também

Com a crise coronavírus, as reuniões de conselhos de administração das grandes empresas viraram videoconferências. Mas não foi só isso que mudou entre os representantes de acionistas que tomam as decisões estratégicas. Se até pouco tempo atrás a meta prioritária era ampliar lucros, a mentalidade da cúpula das empresas está mudando diante da crise sem precedentes. Ganham prioridade a segurança de funcionários, a colaboração com empresas menores e ainda a contribuição com a sociedade, o que pode significar gastar mais e abrir mão de ganhos temporários.

Na fintech Warren, fundada por ex-sócios da XP, o alerta acendeu entre os conselheiros algumas semanas antes do início das quarentenas com o e-mail de um acionista estrangeiro. Em vez de perguntar como andava a abertura de novas contas, relata o jornal O Globo, ele queria saber sobre medidas internas para proteger a saúde dos empregados.

“Não é uma pergunta comum. E ela virou a chave de todo mundo”, conta Eduardo Glitz, que é conselheiro em outras seis empresas, entre gestoras, startups e uma fabricante de calçados. “Não é mais só lucro. Um dos conselhos de que faço parte estava discutindo oferta de psicólogos para funcionários. Todos estão sensibilizados com o pequeno empreendedor e com o impacto da empresa na sociedade. É uma mudança de mindset que veio para ficar.”

Para Glitz, a pandemia acelerou um processo de ajuste dos propósitos corporativos já em curso – e que tem sido chamado de “novo capitalismo“. Há oito meses, um dos movimentos mais firmes nessa direção veio do The Business Roundtable, coalizão de quase 200 diretores executivos de gigantes americanas, como Apple, American Airlintes, Accenture, AT&T, Bank of America, Boeing e BlackRock.

Da teoria à prática

Leonardo Pereira, ex-presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que atua em três conselhos, vê a pandemia como uma espécie de prova de fogo para os conceitos de governança corporativa adotados nos últimos anos. “Chegou a hora de mostrar na prática tudo aquilo que vinha sendo tratado na teoria, como responsabilidade social e sustentabilidade. É hora de ver se as empresas estavam falando sério sobre algo que é extremamente necessário hoje: ajudar o outro, a comunidade e até compensar as deficiências do Estado. Ainda bem que, aparentemente, estavam.”

Até mesmo quem via com certo ceticismo o discurso das empresas está enxergando avanços com a pandemia. “Temos observado, de fato, preocupação grande em atuar na comunidade, uma postura que vai além dos empregados”, diz Renato Chaves, especialista em governança e conselheiro fiscal de duas empresas. “Havia distância entre discurso e prática. A crise serviu para mudar um pouquinho isso. Muitas empresas parecem realmente preocupadas com o que querem para o futuro.”

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...