Com a pandemia, Apple lança novo iPhone “popular” sem a pompa habitual

Leia também

Fintechs brasileiras batem recorde e captam mais de US$ 1,9 bilhão em 2020

Um levantamento da Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito, afirma que o ano de 2020 foi de...

Cresce interesse de investidores sobre ESG no mercado brasileiro

O ESG provou que não é apenas uma moda. As empresas e investidores se preocupam tanto com questões ambientais, sociais e de governança como...

A crise do coronavírus também quebrou uma tradição na Apple: a de realizar eventos grandiosos para apresentar seus novos produtos. Nesta quarta-feira (15/4), a empresa anunciou uma segunda geração do iPhone SE, a versão mais barata dos smartphones de seu portfólio.

Em meio à pandemia, a estratégia da Apple é apostar em uma versão mais barata do iPhone para atrair consumidores que desejam trocar de aparelho mas não estão dispostos a gastar para ter um dos smartphones mais avançados da empresa. O iPhone 11, seu modelo topo de linha, tem preço inicial de US$ 699 nos Estados Unidos. No Brasil, ele custa a partir de R$ 4.999.

O novo aparelho tem o mesmo formato do iPhone 8, mas incorpora alguns dos componentes do iPhone 11, que é o modelo topo de linha da empresa. O novo iPhone SE terá, por exemplo, o mesmo microprocessador A13 do iPhone 11, um display de 4,7 polegadas e uma câmera de 12 megapixels.

O aparelho também traz com ele os recursos de fotografia da Apple que só estão presentes nos modelos mais avançados, como a possibilidade de fazer fotos no modo retrato, com o fundo desfocado. Ele não tem o sistema de reconhecimento de rosto para ser destravado, mas utiliza o botão que faz a leitura da impressão digital do usuário.

O novo iPhone SE será o mais barato da atual linha de smartphones da Apple. Ele será vendido nos Estados Unidos por um preço a partir de US$ 399 e estará disponível em três versões, com capacidade de armazenamento diferentes: 64 gigabytes, 128 gigabytes e 256 gigabytes. A pré-venda começa nos EUA já nesta sexta-feira (17/4). No Brasil, o modelo será vendido a partir de R$ 3.699 reais, mas ele ainda não está disponível para compra no site da Apple.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Cresce interesse de investidores sobre ESG no mercado brasileiro

O ESG provou que não é apenas uma moda. As empresas e investidores se preocupam tanto com questões ambientais, sociais e de governança como...

Fintechs brasileiras batem recorde e captam mais de US$ 1,9 bilhão em 2020

Um levantamento da Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito, afirma que o ano de 2020 foi de...

Levantamento do Linkedin mostra que trabalhadores terminaram 2020 menos otimistas

Trabalhadores brasileiros fecharam 2020 menos confiantes. Isso foi o que mostrou a quinta edição do Índice de Confiança do Trabalhador, realizado pelo LinkedIn, a...

Pandemia, crise climáticas e movimentos sociais levam a marketing a seu maior desafio

Muito se fala sobre transformações no jornalismo, nas mídias e no entretenimento. Pois agora é o momento de se repensar o marketing. Um artigo...

Vacinas, racismo e clima: motores do ESG em 2021

A Boston Common Asset Management definiu quais serão os três motores para os investimentos em ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança)...