Facebook vai alertar usuários sobre fake news sobre coronavírus

Leia também

O Facebook alertará diretamente seus usuários quando consultarem informações falsas relacionadas ao novo coronavírus. O anúncio da medida de combate às fake news foi feito nesta quinta-feira (16/4) pelo fundador e CEO da rede social, Mark Zuckerberg, em um texto que foi ao ar no blog da companhia.

Ao longo do mês de março, o Facebook reuniu “centenas de milhares” de conteúdos sobre a covid-19 que “poderiam representar um perigo iminente para a saúde”, como publicações que afirmavam que o alvejante doméstico permitia a cura do vírus. Os usuários que clicarem nesse tipo de informação falsa, comentarem ou compartilharem esse material receberão uma mensagem indicando a consulta de fontes seguras, como o site da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Zuckerberg também defendeu os esforços da rede social para “limitar a disseminação da desinformação sobre a covid-19”. O Facebook assegurou ter redirecionado “quase 2 bilhões de usuários” – ou seja, quase toda a sua base – para informações de autoridades de saúde pública por meio do “Centro de Informações COVID-19”.

Resultado: “mais de 350 milhões de usuários clicaram em nossas mensagens pedagógicas”, segundo Zuckerberg. Se a informação for falsa, ou imprecisa, mas não representar um “perigo iminente”, a rede social colocará um “rótulo de aviso”. Cerca de 40 milhões de publicações já receberam esse rótulo em março, dissuadindo os usuários de consultarem seu conteúdo em 95% dos casos, de acordo com o Facebook.

Críticas à rede social

Muitos observadores, como a ONG Avaaz, denunciaram a incapacidade do Facebook de impedir a disseminação de informações falsas e que isso tem tido sérias consequências. “O Facebook está no epicentro dessa crise de desinformação”, disse Fadi Quran, chefe da Avaaz, em um comunicado.

“Mas a empresa está dando um passo importante hoje para limpar esse ecossistema tóxico, tornando-se a primeira rede social a alertar os usuários expostos a informações falsas sobre o coronavírus e redirecioná-los para informações que salvam vidas”, reconheceu.

O Whatsapp, que pertence ao Facebook, também lançou novas medidas no início de abril para combater o que a OMS tem chamado de “infodemia”, a pandemia de desinformação. Para limitar a disseminação de fake news, seus usuários agora só podem repassar mensagens virais para um único contato de cada vez.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...