País com mais mortos na pandemia, Itália tem metade de empresas paradas

Leia também

Quase metade das empresas italianas está com atividades formalmente suspensas por causa do coronavírus, de acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas (Istat). As medidas de isolamento social adotadas no país fecharam 2,1 milhões de empresas, ou quase 48% do total. A Itália é o país em que a covid-19 mais matou, segundo as estatísticas oficiais: até este sábado (18/4), já eram mais de 23 mil mortos.

Os números foram revelados na quinta-feira (16/4) em um relatório sobre os efeitos econômicos do isolamento social para evitar o avanço da doença. Os dados, no entanto, excluem alguns setores, como o de crédito e agricultura.

Com base nos dados de 2017, essas empresas geram, segundo o órgão, 41,4% do faturamento global do setor privado e € 309 bilhões em valor agregado (39,5% do total. Somadas, elas empregam 7,1 milhões de pessoas.

Segundo o instituto italiano, “a suspensão tem um impacto maior no setor industrial também do ponto de vista do emprego”. No total, 59,3% dos funcionários do setor estão paralisados. No segmento de serviços, 35,2% estão parados em virtude da pandemia. Os setores atualmente parados representam 63,9% das exportações de bens e geram 20,4% da receita no exterior.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...