Deloitte cria plano de ação para empresas enfrentarem a crise do coronavírus

Leia também

A empresa de auditoria e consultoria de gestão Deloitte elaborou um plano de ação para auxiliar as empresas a atravessarem a crise econômica desencadeada pelo novo coronavírus. O relatório apresenta recomendações para seis áreas prioritárias e que podem ser executadas durante os 100 primeiros dias da crise.

O plano envolve seis diferentes aspectos da atuação das companhias: governança; gestão de pessoas; impactos financeiros; cadeia de suprimentos e operações; clientes e receitas; e tecnologias e meios digitais. Ele prevê três passos. A primeira, chamada de resposta, recomenda que a empresa prepare e gerencie a continuidade do negócios em meio à crise; a segunda é focada na recuperação do negócio e envolve as áreas críticas e ações necessárias; por fim, na terceira, a de sustentação, a empresa pode planejar a volta à normalidade em um novo cenário.

“Mais do que nunca, os gestores empresariais têm um papel fundamental. Sua capacidade de liderança e resiliência fará a diferença para conduzir os negócios durante esse período”, diz a Deloitte no relatório. “É preciso encontrar estabilidade e foco para tomar decisões rápidas e assertivas, transmitindo confiança e empoderando suas equipes e o ecossistema como um todo, sem perder o horizonte futuro de vista. É no auge da crise que a sua capacidade de liderança e resiliência fará a diferença.”

No material, a consultoria recomenda, por exemplo, que as empresas estabeleçam planos de sucessão e prevenção para lideranças e equipes técnicas e revisem as políticas de licenças, viagens e mobilidade local e global. As sugestões também incluem comunicar-se com as equipes com a frequência necessária, nos momentos necessários e de forma transparente.

Entre as recomendações para lidar com os aspectos financeiros da pandemia, a Deloitte destaca, entre outros pontos, a importância de revisar o fluxo de caixa projetado para os próximos 100 dias e tomar ações corretivas o mais breve possível. É preciso reforçar o foco no controle de custos e despesas operacionais. O relatório completo está neste link.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...