Para editor da MIT Technology Review, inovação do Vale do Silício em saúde é falha

Leia também

O Vale do Silício, no estado americano da Califórnia é amplamente considerado o centro da inovação global na atualidade. Assim, é de se surpreender que as empresas dessa espécie de capital mundial da tecnologia não estejam fazendo mais para colaborar com os esforços de combate à pandemia, segundo análise de David Rotman, colunista e editor colaborador do site MIT Technology Review, ligado ao renomado Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

Em artigo sobre o tema, Rotman afirmou que a crise revelou os pontos fracos e limitações do Vale. “Nossa inabilidade em fazer medicamentos e outras coisas de que precisamos desesperadamente, como equipamentos de proteção pessoal e outros suprimentos de saúde, é um exemplo mortal,” escreveu.

Rotman não nega que a tecnologia produzida nos Estados Unidos tem ajudado em alguns pontos. A plataforma de videoconferências Zoom permitiu que pessoas continuassem conectadas durante o regime de trabalho remoto, a Netflix ofereceu entretenimento e aparelhos como o iPad têm sido úteis para o ensino à distância. No entanto, quando o assunto é saúde, diz ele, as novidades escassas.

“As grandes empresas da tecnologia não constroem nada,” afirmou. “Não vão nos dar vacinas ou testes. Parece que não sabem nem fazer um cotonete. Aqueles esperando que os Estados Unidos possam transformar sua indústria tecnológica dominante em um motor de inovação contra a pandemia vão ficar decepcionados.”

Para o editor, o Vale do Silício se especializou em tornar nossas vidas um pouco mais convenientes, mas não consegue desenvolver novas ideias em áreas básicas para a sobrevivência humana, como saúde e alimentação. Rotman também sugere que o êxodo das manufaturas para fora dos EUA afeta o país, que tem sérios problemas para fabricar produtos por conta própria. Essa falta de indústria, ele argumenta, cria uma crise de inovação.

Existem, no entanto, usos inovadores de tecnologia na luta contra a covid-19. Inteligência artificial, por exemplo, se tornou uma ferramenta importante para o diagnóstico da doença, inclusive no Brasil. Mas Rotman não é completamente pessimista. Ele acredita que agora é a hora de o Vale do Silício aprender com seus erros. “A pandemia pode ser o despertador de que o país precisa para resolver esses problemas,” escreveu.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...