Saúde mental de mulheres que trabalham é a mais afetada pelo isolamento social

Leia também

Adotado em vários países do mundo para ajudar a conter a disseminação do novo coronavírus, o isolamento social – que inclui, também, o regime de home office remoto nas empresas – começa a cobrar sua conta na saúde mental das pessoas. E um grupo em particular tem sofrido mais: o de mulheres que trabalham. A descoberta aparece em um estudo da Universidade do Estado do Rio (UERJ).

Publicado online pela The Lancet, embora ainda sem revisão, o levantamento mostrou que os casos de ansiedade e estresse mais do que dobraram entre toda a população; os de depressão, por sua vez, cresceram 90%. As mulheres são mais propensas a sofrer com ansiedade e depressão durante a epidemia, em especial as que continuam trabalhando, porque se sentem ainda mais sobrecarregadas com o acúmulo de tarefas domésticas e cuidados com os filhos.

Outros fatores de risco – também para os homens – são alimentação desregrada, doenças preexistentes e a necessidade de sair de casa para trabalhar. Quem precisam sair de casa durante a quarentena, como entregadores, funcionários de transporte público e supermercados e profissionais de saúde, tem, em média, indicadores de depressão e ansiedade mais elevados que os de quem está em casa, segundo os autores. No caso da depressão, as principais causas são a idade avançada, o baixo nível de escolaridade e a o medo de passar a infecção para pessoas mais vulneráveis.

A pesquisa foi feita entre os dias 20 de março e 20 de abril. Nesse intervalo, 1.460 pessoas, de 23 estados, responderam a um questionário online com mais de 200 perguntas. O trabalho é coordenado por Alberto Filgueiras, do Instituto de Psicologia da UERJ, com Matthew Stults-Kolehmainen, do Hospital Yale New Haven, nos Estados Unidos.

Os resultados sugerem um agravamento da situação desde o início da epidemia. A proporção de pessoas que relataram sintomas de estresse agudo passou de 6,9% na primeira etapa da coleta de dados (entre 20 e 25 de março) para 9,7% na segunda (de 15 a 20 de abril). Entre os casos de depressão, o salto foi de 4,2% para 8%. A crise aguda de ansiedade pulou de 8,7% para 14,9%. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os percentuais médios na população esperados para estresse, ansiedade e depressão são 8,5%, 7,9% e 3,9%, respectivamente.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...