Para dona do Burger King, coronavírus pode mudar fast-food para sempre

Leia também

Como Portugal tem combatido as fake news na pandemia

Por Marcos Freire*, de Ovar (Portugal), especial para o Vida de Empresa Parece não ser exagero dizer que as notícias sobre a pandemia - as...

Cresce o número de pessoas que evitam notícias sobre o coronavírus

Nos primeiros meses da pandemia, a busca por novidades sobre o assunto disparou. No fim de março, com o avanço do coronavírus, o tráfego...

Surto de desinformação: robôs disparam 45% dos tuítes sobre a covid-19

A avalanche de mentiras sobre a covid-19 já foi definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a "infodemia", o surto de desinformação. Um...

Sleeping Giants: movimento contra fake news já tem no Brasil mais seguidores que nos EUA

Em menos de uma semana, a versão do Sleeping Giants, movimento que combate o financiamento de sites de fake news, já tem mais seguidores...

A crise do coronavírus pode mudar para sempre a indústria do fast-food – e quem diz isso é um dos principais nomes do segmento no planeta: a Restaurant Brands International, dona das marcas Burger King, Tim Hortons e Popeyes na América do Norte. A análise foi feita pelo CEO da companhia, José Cil, que distribuiu carta aberta no momento em que seus restaurantes se preparam para reabrir.

“Nós abraçamos completamente a ideia de que parte de nossos restaurantes precisa mudar – certamente para o futuro próximo, e possivelmente para sempre”, escreveu o executivo, em carta divulgada na última terça-feira (12/5). As três marcas têm, somadas, 15 mil restaurantes na América do Norte. Elas têm atuado apenas com delivery, drive-thru e canais mobile durante a vigência do regime de distanciamento social, mas estão se preparando para reabrir seus salões. As reaberturas, por enquanto, estão sendo estudadas para os Estados Unidos.

Um exemplo de mudança mais permanente é o uso de máscara como parte fundamental do uniforme. Hoje, a maioria dos restaurantes conta com proteções de acrílico e serviço sem contato. A rede também está mantendo uma distância entre as cadeiras nos salões, independentemente das recomendações locais. As mesas e cadeiras serão higienizadas após cada uso. O autoatendimento para refrigerantes foi removido e substituído por atendimento no balcão.

Outra transformação foi a digital. Centenas de novos restaurantes foram incluídos em plataformas de delivery e passaram por melhorias na operação de entrega, registro de pedidos e pagamentos pelo celular. Há ainda opções para retirar o pedido na calçada, sem entrar no restaurante.

Essas mudanças foram feitas para aumentar a rapidez e diminuir o contato na experiência cada vez mais. “Nunca houve tempo melhor para adotar um modelo de negócios que serve dezenas de milhões de pessoas por dia com velocidade e contato limitado”, afirma Cil.

A Restaurant Brands disse que mais de 95% das unidades nos EUA agora servem refeições por entregas e drive thru. As unidades com mesas, das quais cerca de mil estão em operação no momento, estão sendo reabertas conforme permitido pelas autoridades locais. As ações da Restaurant Brands acumulam queda de 16% neste ano.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Desemprego de jovens na pandemia pode criar “herança de décadas”

A pandemia ameaça criar uma geração perdida de jovens, afetados pelo aumento do desemprego e mais expostos a trabalhos precários. Mais de uma a...

Cresce o número de pessoas que evitam notícias sobre o coronavírus

Nos primeiros meses da pandemia, a busca por novidades sobre o assunto disparou. No fim de março, com o avanço do coronavírus, o tráfego...

Como Portugal tem combatido as fake news na pandemia

Por Marcos Freire*, de Ovar (Portugal), especial para o Vida de Empresa Parece não ser exagero dizer que as notícias sobre a pandemia - as...

Pandemia: anúncio com tom “estamos com você” já não mobiliza consumidor

Na pandemia, as pessoas passaram a consumir mais conteúdo - e isso inclui publicidade. Por um lado, isso reforça a importância de empresas e...

As vantagens dos escritórios que o home office (ainda) não tem

O trabalho remoto como norma, e não mais como exceção, tem sido amplamente considerado uma das mudanças trazidas pelo novo coronavírus que devem seguir...