Por que CargoX e Descomplica são “pioneiras da tecnologia”, segundo o Fórum Econômico Mundial

Leia também

Todos os anos, o Fórum Econômico Mundial apresenta as “pioneiras da tecnologia“, uma lista de empresas apontadas como responsáveis por transformar seus setores e a sociedade. No passado, nomes como Airbnb, Spotify, Twitter e Wikimedia apareceram na relação, o que dá uma medida do nível de suas escolhas. E, neste ano, das 100 eleitas pelo comitê responsável pelo trabalho, há duas brasileiras: CargoX e Descomplica.

Aparecer na lista é ter reconhecido o “potencial de ter um impacto significativo nos negócios e na sociedade por meio do design, do desenvolvimento ou do lançamento de novas tecnologias”, segundo o Fórum. As pioneiras da tecnologia formam uma comunidade global de startups e empresas em estágio inicial de operações. A comunidade surgiu em 2000, e a lista é publicada desde 2007.

Criada em São Paulo em 2016, a CargoX, popularmente como a “Uber dos caminhões”, conecta caminhoneiros e emissores de carga, como em uma rede social. Ela partiu da ideia de melhorar a eficiência do transporte rodoviário de cargas no Brasil – onde 70% da estrutura logística depende exclusivamente dos caminhões – e na América Latina. A empresa já recebeu apoio de investidores como Goldman Sachs, Qualcomm Ventures e Oscar Salazar, cofundador da Uber.

A Descomplica, por sua vez, é uma plataforma de curso preparatório para vestibular totalmente digital. O professor Marco Fisbhen lançou a iniciativa em 2011. Desde então, ela já transmitiu mais de 70 mil vídeos a reuniu mais de 100 milhões de inscritos no Youtube, interessados em conteúdos que vão de matérias para estudantes do ensino médio a cursos de pós-graduação. “Os alunos passam em média uma hora por sessão, pelo menos três vezes por semana”, registra o Fórum Econômico Mundial, “e podem melhorar suas pontuações em até 45% nos exames nacionais unificados”.

Nem toda startup pode entrar na lista de pioneiras da tecnologia. Entre os critérios de seleção estão, por exemplo, a exigência de que a empresa tenha menos de dez anos de existência. Também é necessário que ela já tenha levantado ao menos US$ 10 milhões com investidores externos, mas, ao mesmo tempo, ela não pode ter se transformado ainda em um unicórnio, como são conhecidas as startups avaliadas em pelo menos US$ 1 bilhão.

Clique aqui e conheça a turma 2020 das pioneiras da tecnologia.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...