Agências unem-se para monitorar, do espaço, os impactos do coronavírus

Leia também

Com Biden, Estados Unidos abrem caminho para “Imposto Google” global

A reunião virtual dos ministros da Economia do G20 confirmou o que muitos esperavam: com a mudança no governo americano, agora está mais perto...

Os efeitos do coronavírus sobre o planeta agora têm sido monitorados a partir de um novo ponto de observação, o espaço – e graças a um esforço internacional conjunto. A agência espacial americana NASA, a Agência Espacial Europeia e a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão fecharam acordo para um trabalho de colaboração que tem reunido dados sobre os impactos da covid-19 sobre a vida humana.

Os satélites operados pelas agências coletam imagens e informações como qualidade do ar, emissões de poluentes e alteração da temperatura em diferentes pontos do planeta. Os dados abastecem uma plataforma conjunta criada pelas três agências. Ao todo, são 30 indicadores ambientais, 17 econômicos e três específicos sobre a agricultura.

Ao envolver três agências espaciais e seu compromisso de compartilhar dados sensíveis, o projeto é considerado de alta complexidade; são, ao todo, 17 satélites envolvidos na iniciativa. Esses obstáculos foram superados em alta velocidade: o anúncio de que elas fariam um trabalho conjunto foi feito em abril.

A plataforma entrou no ar nesta quinta-feira (25/6). Nela, os dados já atestam, a partir do espaço, mudanças significativas que têm sido coletadas também em outros monitoramentos, que vão da melhoria da qualidade geral do ar à redução no número de carros em estacionamentos de shopping centers.

A ideia das agências é que as informações coletadas por elas sirvam de base para o trabalho de autoridades de saúde, planejadores urbanos e outros formuladores de políticas públicas. As informações poderão guiar o combate aos efeitos da pandemia no curto prazo, mas também os efeitos de longo prazo da covid-19.

O projeto foi criado para compartilhamento apenas de informações sobre os impactos da pandemia, mas, segundo Josef Aschbacher, diretor de programas de observação da Terra da Agência Espacial Europeia, as agências já consideram a possibilidade de estender o escopo do trabalho. Isso poderia ser útil para resolver outros desafios de escala global, como é o hoje o novo coronavírus, argumenta ele.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Em pior momento da pandemia, indicamos dez pontos a serem seguidos pelas empresas nestes tempos

O impacto da pandemia na economia brasileira foi conhecido nesta quarta-feira: queda de 4,1% do PIB de 2020. Analistas lembram, contudo, que o resultado...

Com Biden, Estados Unidos abrem caminho para “Imposto Google” global

A reunião virtual dos ministros da Economia do G20 confirmou o que muitos esperavam: com a mudança no governo americano, agora está mais perto...

Piores notícias sobre o Brasil na imprensa internacional estão na cobertura política: 65% das reportagens são negativas, aponta estudo

O ano de 2020 será sempre lembrado como período de pandemia, mortes e milhões de contaminados, aguda recessão econômica, aumento do desemprego e um...

Banco Mundial: 25% das empresas tiveram queda de 50% no faturamento com a pandemia

Afinal, qual o impacto da pandemia para as empresas? Para tentar responder a esta questão, o Banco Mundial tem feito uma série de pesquisas....

Pagamento de produtos e serviços por Pix já é feito por 51% dos usuários, indica pesquisa

Criado para fazer transferências de valores em segundos e a qualquer momento, mesmo fora do horário comercial, o PIX está cada vez mais se...