Três dicas para reforçar o networking sem eventos presenciais

Leia também

Os eventos corporativos foram profundamente afetados pelas medidas de isolamento social impostas pelo novo coronavírus. Para além de serem fonte de informação, seminários, simpósios, feiras e outras atividades do gênero são também canais para reforçarmos a rede de contatos profissionais e construirmos novas relações. É possível fazer networking sem encontros presenciais?

Em artigo para a Harvard Business Review, dois especialistas no tema afirmam que sim. Alisa Cohn, consultora de executivos de grandes empresas, e Dorie Clark, estrategista de marketing e professor da escola de negócios da Duke University, contam ter identificado uma série de estratégias para criar conexões na pandemia – e detalham três delas. Abaixo, as sugestões da dupla:

Transforme eventos cancelados em encontros (virtuais) privados

O cancelamento de eventos não precisa significar necessariamente que os encontros que ocorreriam nesses locais não podem ocorrer de outra forma. Alisa Cohn e Dorie Clark sugerem uma nova olhada na programação de eventos a que você pretendia ir neste ano, mas que foram cancelados por causa da pandemia. Identifique entre cinco ou dez pessoas com as quais você gostaria de ter feito contato (sejam elas palestrantes na programação ou profissionais que estiveram no evento em edições anteriores), um ponto em comum entre vocês (o fato de terem estudado na mesma universidade, por exemplo) e faça contato por email ou em uma mensagem via LinkedIn.

Assim como você planejava convidar essa pessoa para um café em um dos intervalos do evento, faça o mesmo nesse contato, sugerem os autores. Mas, em vez de um encontro presencial, ele pode ser via Zoom.

Repense as limitações geográficas

Antes da adoção do trabalho remoto em escala global, estávamos habituados a manter mais ativos os contatos com pessoas fisicamente próximas de nós. Se, por um lado, é inviável hoje convidar alguém para uma conversa em uma happy hour, por outro, o isolamento nos lembra que podemos fazer esse convite a pessoas com as quais antes conversávamos mais raramente. O fato de elas morarem em outras cidades, estados ou mesmo países passa a ser um detalhe menor do que era antes da pandemia.

Convide executivos mais graduados para grupos de discussão

A crise atual levantou uma série de novas questões para os líderes empresariais, sejam elas o futuro do setor, a resposta da empresa a desafios específicos ou o futuro do trabalho no mundo. Esse debate pode ser feito em grupos informais (e, claro, virtuais). Se as primeiras conversas entre os participantes se mostrarem produtivas, para a próxima, considere chamar um executivo mais graduado (para ser um debatedor a mais ou apenas para fazer algumas considerações).

No mundo antes da covid-19, ter contato mais direto com um alto executivo de sua empresa poderia ser mais difícil, ou mesmo impossível. Agora, com todos em home office, o cenário é outro. Mas é importante não atropelar a cultura da empresa ao tomar essa iniciativa. Se a cultura da empresa exige uma consulta prévia com um superior imediato para fazer o convite, é preciso seguir esse protocolo.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...