Em bens de consumo, covid-19 aumentou apelo de marcas conhecidas

Leia também

No segmento de bens de consumo, a covid-19 aumentou o apelo de marcas conhecidas e empresas consideradas tradicionais em suas áreas de atuação, segundo um relatório produzido pela consultoria McKinsey. Mais do que mudar a participação de mercado de companhias, bens e serviços, esse cenário pode influenciar o mercado de fusões e aquisições nos próximos anos.

Para o relatório, publicado na última quarta-feira (24/6), a McKinsey analisou o perfil de 119 empresas de bens de consumo que realizaram, ao todo, 1040 fusões e aquisições entre 2013 e 2018. Com essa varredura, a consultoria dissecou alguns dos efeitos da crise financeira global de 2008 e 2009 sobre essas operações. O levantamento também considerou o comportamento dos consumidores em três diferentes momentos, sendo um deles já sob a pandemia.

“A covid-19 acelerou as tendências (de consumo) existentes e criou novos cenários, que afetarão a frequência das operações de fusão e aquisição e os tipos de negócios no setor”, diz o relatório. Saúde e bem-estar, que já eram tendências em ascensão, ganham ainda mais espaço. Com isso, empresas que têm esse apelo devem ser alvo de aquisições de fabricantes de maior porte interessadas nesse posicionamento.

A pandemia também acentuou o apelo de marcas que os consumidores conhecem e nas quais eles confiam. “Embora as grandes fabricantes de bens de consumo tenham respondido por cerca 50% das vendas em 2018, elas representaram apenas 16% do crescimento entre 2015 e 2018. Essa parcela do crescimento subiu para 39% no período 2018–2019 e chegou a 55% nas primeiras três semanas de abril de 2020”, diz a McKinsey, que cita dados empresa de pesquisas de mercado Nielsen.

O nome do jogo é escala

Para a consultoria, a mudança do perfil das fusões e aquisições no segmento de bens de consumo tem um ponto central: escala voltará a ser decisiva na disputa por mercado. “Os varejistas terão mais confiança nas cadeias de suprimentos de grandes fabricantes; grandes marcas estão novamente conquistando a confiança dos consumidores; e produtos de empresas de bens de consumo que tenham escala estarão disponíveis com mais rapidez.”

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...