Processos seletivos 100% digitais seguirão mesmo após a pandemia, diz pesquisa

Leia também

Os processos seletivos devem continuar sendo feitos de maneira 100% digital mesmo após  o fim da pandemia, segundo uma pesquisa feita pelo Instituto Locomotiva, a Cia. de Talentos e a Acesso Digital. Nada menos que 95% dos profissionais de recursos humanos de grandes empresas brasileiras ouvidos na pesquisa acreditam que o modelo de contratação à distância, imposto pelo novo coronavírus, deverá se tornar permanente.

De acordo com o levantamento, na maioria das empresas, a contratação leva entre 15 e 30 dias, intervalo contado entre o início do processo seletivo e a admissão. Boa parte desse tempo é gasto com burocracias admissionais – e 35% das companhias consultadas dizem já ter perdido talentos por causa da demora. Em dois exemplos práticos das amarras identificadas pela pesquisa, 45% das empresas ainda não permitem envio por e-mail de documentos para a contratação e 47% exigem a presença física na companhia, ao menos uma vez, para efetivar a admissão.

“As organizações estão sendo convidadas a rever rapidamente os processos que impedem a aplicação de modelos ágeis de gestão”, diz Sofia Esteves, presidente do conselho do grupo Cia. de Talentos, em artigo para a Exame. As mudanças, segundo ela, também abrem caminho para a contratação de talentos que morem em outros estados ou países, outra tendência de mercado.

Home office e saúde mental

Dos entrevistados, 85% afirmaram que suas empresas adotaram o home office total ou parcialmente. O regime de trabalho remoto é uma novidade para 53% das companhias consultadas na pesquisa; as outras 47% afirmaram já estar habituadas a esse regime por terem adotado, já antes da pandemia, o home office ao menos uma vez por semana.

“O dado demonstra como o mercado nacional ainda adia o investimento em tendências importantes, como a transformação tecnológica”, escreve Sofia Esteves. O levantamento também identificou, segundo ela, falta de cuidados com a saúde mental dos colaboradores. De acordo com a pesquisa, 96% dos profissionais de RH perceberam os funcionários mais ansiosos, estressados e preocupados em perder seus empregos.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Startups de energia receberam só neste ano 78% do total de investimentos no setor desde 2015

No ano de uma das piores crises hídricas do Brasil com consequências sobre a produção de energia, as startups do setor já receberam R$...

Nestlé oferece empatia e acolhimento com Projeto Supera

As empresas têm de lidar a todo momento com os impactos ainda presentes da pandemia. Um dos mais complexos é o luto de quem...

Pesquisa mostra que líderes empresariais esperam garantir ganhos de sustentabilidade e mudanças climáticas

Uma pesquisa realizada pela KPMG neste ano com 500 CEOs globais de consumo e varejo,mostra que 92% deles desejam garantir os ganhos de sustentabilidade...

Reino Unido deve ter mais investimentos estatal para ampliar oferta de carregadores para carros elétricos nas ruas

O Reino Unido foi a primeira região do mundo a anunciar que a partir de 2030 não serão mais comercializados veículos a combustão fóssil,...

Extra investe em empreendimentos liderados por mulheres negras de periferias do Brasil

Criado em 2020 para apoiar empreendimentos de mulheres negras periféricas e contribuir para a manutenção dos seus negócios, o projeto da rede Extra, por...