Processos seletivos 100% digitais seguirão mesmo após a pandemia, diz pesquisa

Leia também

Os processos seletivos devem continuar sendo feitos de maneira 100% digital mesmo após  o fim da pandemia, segundo uma pesquisa feita pelo Instituto Locomotiva, a Cia. de Talentos e a Acesso Digital. Nada menos que 95% dos profissionais de recursos humanos de grandes empresas brasileiras ouvidos na pesquisa acreditam que o modelo de contratação à distância, imposto pelo novo coronavírus, deverá se tornar permanente.

De acordo com o levantamento, na maioria das empresas, a contratação leva entre 15 e 30 dias, intervalo contado entre o início do processo seletivo e a admissão. Boa parte desse tempo é gasto com burocracias admissionais – e 35% das companhias consultadas dizem já ter perdido talentos por causa da demora. Em dois exemplos práticos das amarras identificadas pela pesquisa, 45% das empresas ainda não permitem envio por e-mail de documentos para a contratação e 47% exigem a presença física na companhia, ao menos uma vez, para efetivar a admissão.

“As organizações estão sendo convidadas a rever rapidamente os processos que impedem a aplicação de modelos ágeis de gestão”, diz Sofia Esteves, presidente do conselho do grupo Cia. de Talentos, em artigo para a Exame. As mudanças, segundo ela, também abrem caminho para a contratação de talentos que morem em outros estados ou países, outra tendência de mercado.

Home office e saúde mental

Dos entrevistados, 85% afirmaram que suas empresas adotaram o home office total ou parcialmente. O regime de trabalho remoto é uma novidade para 53% das companhias consultadas na pesquisa; as outras 47% afirmaram já estar habituadas a esse regime por terem adotado, já antes da pandemia, o home office ao menos uma vez por semana.

“O dado demonstra como o mercado nacional ainda adia o investimento em tendências importantes, como a transformação tecnológica”, escreve Sofia Esteves. O levantamento também identificou, segundo ela, falta de cuidados com a saúde mental dos colaboradores. De acordo com a pesquisa, 96% dos profissionais de RH perceberam os funcionários mais ansiosos, estressados e preocupados em perder seus empregos.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...