Processos seletivos 100% digitais seguirão mesmo após a pandemia, diz pesquisa

Leia também

Os processos seletivos devem continuar sendo feitos de maneira 100% digital mesmo após  o fim da pandemia, segundo uma pesquisa feita pelo Instituto Locomotiva, a Cia. de Talentos e a Acesso Digital. Nada menos que 95% dos profissionais de recursos humanos de grandes empresas brasileiras ouvidos na pesquisa acreditam que o modelo de contratação à distância, imposto pelo novo coronavírus, deverá se tornar permanente.

De acordo com o levantamento, na maioria das empresas, a contratação leva entre 15 e 30 dias, intervalo contado entre o início do processo seletivo e a admissão. Boa parte desse tempo é gasto com burocracias admissionais – e 35% das companhias consultadas dizem já ter perdido talentos por causa da demora. Em dois exemplos práticos das amarras identificadas pela pesquisa, 45% das empresas ainda não permitem envio por e-mail de documentos para a contratação e 47% exigem a presença física na companhia, ao menos uma vez, para efetivar a admissão.

“As organizações estão sendo convidadas a rever rapidamente os processos que impedem a aplicação de modelos ágeis de gestão”, diz Sofia Esteves, presidente do conselho do grupo Cia. de Talentos, em artigo para a Exame. As mudanças, segundo ela, também abrem caminho para a contratação de talentos que morem em outros estados ou países, outra tendência de mercado.

Home office e saúde mental

Dos entrevistados, 85% afirmaram que suas empresas adotaram o home office total ou parcialmente. O regime de trabalho remoto é uma novidade para 53% das companhias consultadas na pesquisa; as outras 47% afirmaram já estar habituadas a esse regime por terem adotado, já antes da pandemia, o home office ao menos uma vez por semana.

“O dado demonstra como o mercado nacional ainda adia o investimento em tendências importantes, como a transformação tecnológica”, escreve Sofia Esteves. O levantamento também identificou, segundo ela, falta de cuidados com a saúde mental dos colaboradores. De acordo com a pesquisa, 96% dos profissionais de RH perceberam os funcionários mais ansiosos, estressados e preocupados em perder seus empregos.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Em dois anos, empresas que não se modernizarem parecerão do século passado, diz Monica de Bolle

Monica de Bolle, professora da Johns Hopkins University e pesquisadora sênior do Peterson Institute for International Economics, ambos em Washington, afirma, em entrevista exclusiva...

Insead aponta ferramentas para transformar suas ideias em realidade

Um artigo publicado na prestigiosa escola de administração europeia Insead apontou quais ferramentas são necessárias para transformar uma inovação em uma inovação bem-sucedida. O...

As entregas do e-commerce precisam ser tão rápidas?, questiona Correos da Espanha

Em tempos de Black Friday, quase tão importante quanto os descontos são os prazos para entregas. Se antes a disputa era por dias, agora...

Grupo brasileiro lança movimento CEOs pela Diversidade e Inclusão

Um grupo de CEOs de grandes empresas brasileiras lançará, no dia 26 de novembro, o Movimento Impacto - CEOs pela Diversidade e Inclusão. O...

Vacinas contra Covid-19 levam FMI a sugerir investimentos para a retomada econômica global

O otimismo gerado com notícias promissoras quase diárias sobre vacinas contra a Covid-19 levou o Fundo Monetário Internacional (FMI), em um texto desta terça-feira...