Qual foi – até agora – o impacto da pandemia sobre as marcas mais valiosas do mundo

Leia também

Todo ano, a empresa de pesquisas de mercado Kantar atualiza o BrandZ Top 100, ranking das marcas mais valiosas do mundo. A nova edição da pesquisa, divulgada nesta terça-feira (30/6), já apresenta alguns dos efeitos da pandemia sobre o valor das marcas. Essa leitura dá pistas sobre negócios mais e menos promissores no mundo que surgirá após o coronavírus.

Em primeiro lugar, talvez de maneira surpreendente, mesmo com a crise global surgida com a covid-19, o valor total das 100 marcas mais valiosas do planeta engordou nos últimos 12 meses. Com o crescimento de 6%, ou o equivalente a US$ 277 bilhões, a soma chegou a US$ 5 trilhões, de acordo com o levantamento.

A segunda constatação é a do fortalecimento das empresas envolvidas com o comércio eletrônico. O valor total das marcas de varejo cresceu 21%, puxado pelo desempenho das líderes globais do e-commerce. Esse cenário é particularmente verdadeiro para a Amazon. O valor marca da empresa cresceu 32%, ou US$ 130 bilhões, para US$ 415,9 bilhões, respondendo por um terço do avanço total do BrandZ Top 100.

Não por acaso, a fortuna de Jeff Bezos, fundador e CEO da companhia, engordou mais de US$ 35 bilhões entre o início de março e o início de junho. O aumento foi o mais acentuado registrado nos Estados Unidos nesse intervalo, segundo um relatório publicado no início deste mês (relembre aqui).

Força (ainda maior) da tecnologia

O surgimento do novo coronavírus também acentuou a valorização de marcas de empresas de tecnologia, que dominaram as dez primeiras posições (Apple, Microsoft e Google, por exemplo, vieram, nessa ordem, logo depois da Amazon no ranking). A rede social de origem chinesa TikTok, também uma empresa de tecnologia, foi, por sua vez, a principal estreante da lista. Ela apareceu na 79ª posição, avaliada em US$ 16,9 bilhões. A pesquisa completa da Kantar está neste link.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...