Com petróleo, Guiana fica mais “rica”, mas desenvolvimento segue distante

Leia também

Nenhum país do mundo vai crescer mais que a Guiana em 2020. Em pleno ano da crise do novo coronavírus, o produto interno bruto (PIB) dessa ex-colônia inglesa, vizinha do Brasil, deve aumentar 52,8%, segundo a projeção mais recente do Fundo Monetário Internacional (FMI). Se, por um lado, o país será, sob a pandemia, o campeão mundial de crescimento econômico, por outro lado, ele tem mostrado, na prática, que riqueza mineral não é sinônimo imediato de desenvolvimento.

A Guiana começou sua produção comercial neste ano, após uma série de descobertas de reservas. Entre 2015 e o último mês de janeiro, a ExxonMobil, principal companhia petrolífera com atuação no país, tinha anunciado nada menos que 16 descobertas de petróleo nas águas oceânicas guianesas. Mais recentemente, no fim de julho, a empresa informou que uma das descobertas tinha levado, na verdade, a duas novas reservas de óleo.

Com as descobertas, as jazidas do país, que tem menos de 800 mil habitantes e área equivalente à do estado do Paraná, estão estimadas hoje em 8 bilhões de barris. (Para efeito de comparação, o Brasil, 15º no ranking internacional de reservas, tem, estimados, 12,7 bilhões.)

Instabilidade política e corrupção

No entanto, o caminho para que o tesouro mineral se transforme em desenvolvimento efetivo ainda parece longo. Um dos motivos é a crônica instabilidade política. O país realizou eleições presidenciais em março, mas o resultado só foi anunciado no início de agosto. Foram mais de cinco meses de impasse e contestações tanto de governistas quanto de oposicionistas, que acabaram vencendo. Organizações como a Transparência Internacional também alertam para os altos níveis de corrupção locais.

“Outra lição, que já foi dada por outros grandes produtores da América Latina, é a importância da diversificação da economia“, registra a Petroleum Economist. A revista lembra o caso do Equador: o país começou a produzir petróleo em 1972, e a expectativa era de que esse fosse um marco de transformação de sua economia. Mas, após uma década de crescimento do PIB, o país tornou-se cada vez mais dependente da receita trazida pela commodity. O crescimento ocorreu, mas, sem diversificação da atividade econômica, o desenvolvimento ficou pelo caminho.

Não é demais lembrar: a Venezuela, que hoje está com sua economia em frangalhos, tem as maiores reservas de petróleo do planeta. Os problemas venezuelanos se acentuaram a partir de 2014, quando começaram as sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos, mas, com diferentes intensidades, as crises – sob governos de direita e de esquerda – têm se sucedido há quase 40 anos.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...