Naming rights: marcas dão nomes a estádios há mais de um século

Leia também

O Corinthians anunciou nesta terça-feira (1°/9), dia de seu aniversário de 110 anos, um acordo de cessão de naming rights de seu estádio para a fabricante de medicamentos genéricos Neo Química. Com valor total de R$ 300 milhões, o patrocínio vai se estender por 20 anos. Nesse período, a Arena Corinthians será rebatizada como Neo Química Arena.

Contratos do gênero são relativamente raros no Brasil. Hoje, estão em vigência apenas três desses acordos: Allianz Parque, Itaipava Arena Fonte Nova e Itaipava Arena Pernambuco. Antes delas, a Kyocera Arena – nome usado entre 2005 e 2008 pela Arena da Baixada, casa do Athletico Paranaense, em Curitiba – foi uma das poucas a explorar esse filão no país.

Mas, nos Estados Unidos, empresas e marcas dão nomes a estádios há mais de 100 anos. Curiosamente, mesmo com origens um tanto informais, os nomes comerciais de dois dos estádios pioneiros seguem em vigor. Ambos são usados por equipes da MLB, a principal liga americana de baseball.

Construção civil e goma de mascar

Em 1911, John I. Taylor, então proprietário do Boston Red Sox, comprou uma área para erguer um novo estádio para a equipe, inaugurado no ano seguinte com o nome Fenway Park. Taylor sempre argumentou que o nome surgiu como referência ao bairro de Fenway, onde o estádio foi construído. No entanto, muitos historiadores citam o projeto como uma das origens do uso de naming rights em praças esportivas, já que a família Taylor era dona da incorporadora imobiliária Fenway Realty Company.

Em Chicago, o Chicago Cubs inaugurou em 1914 seu estádio, batizado inicialmente de Weeghman Park. O nome Wrigley Field surgiu em 1926 por iniciativa do magnata William Wrigley Jr., dono do clube e da fábrica de gomas de mascar Wrigley Company, hoje uma subsidiária da multinacional Mars. A identidade foi mantida mesmo depois que o empresário Thomas S. Ricketts, da área financeira, assumiu o controle do Chicago Cubs, em 2009.

A “era moderna” dos acordos de naming rights começou em 1953, quando a cervejaria Anheuser-Busch fechou acordo para rebatizar o Sportsman’s Park, em St. Louis, como Busch Stadium. O St. Louis Cardinals, uma das equipes de maior sucesso na história da liga americana de baseball, teve outros dois estádios após o antigo Sportsman’s Park, mas o nome Busch Stadium segue sendo usado. O atual estádio foi inaugurado em 2006.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...