#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Leia também

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que a pandemia seja, de fato, um ponto de transição (para melhor) para o planeta. Os executivos aderiram à campanha #NãoVolte, da Rede Brasil do Pacto Global. Ligada à Organização das Nações Unidas (ONU), a entidade promove os chamados Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no meio empresarial.

A ideia do grupo é que, com o “novo normal”, a humanidade se afaste do modelo econômico que vigorou nas últimas décadas, hoje visto como insustentável no longo prazo. O consumo em excesso, uma das marcas desse modelo econômico, é uma “ameaça maior que o coronavírus“, segundo um relatório divulgado em julho pelo Fórum Econômico Mundial.

Uma das primeiras ações conjuntas dos executivos foi a gravação de um vídeo para a campanha, lançado nesta quarta-feira (9/9). Artur Grynbaum, CEO do Grupo Boticário, Juliana Baiardi, presidente da Atvos, Guilherme Wegee, CEO da Malwee, Luana Genót, diretora-executiva do Instituto Identidades do Brasil, Eduardo Fisher, CEO da MRV, e Andreia Dutra, presidente da Sodexo, deram seus depoimentos para a peça, criada pela agência AlmapBBDO.

Também nesta quarta, uma parte do grupo de lideranças participou de um seminário online (disponível na íntegra neste link) com dois dos principais nomes da agenda global de sustentabilidade. O sueco Johan Rockström, diretor do Potsdam Institute for Climate Impact Research, falou sobre as tendências globais sobre clima, e o economista indiano Pavan Sukhdev, presidente do conselho internacional da organização WWF e CEO da GIST Advisory, sobre responsabilidades e oportunidades de negócio.

O Pacto Global existe há 20 anos e foi lançado por Kofi Annan, então secretário-geral das Nações Unidas. A iniciativa defende dez princípios universais, descritos na Declaração Universal de Direitos Humanos, na Declaração da Organização Internacional do Trabalho sobre Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho, na Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento e na Convenção das Nações Unidas Contra a Corrupção. As empresas e organizações que aderem ao Pacto Global comprometem-se a seguir esses princípios no dia a dia de suas operações.

Assista a seguir ao vídeo da campanha #NãoVolte:

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

#NãoVolte: CEOs defendem que mundo não volte a ser como antes da pandemia

Um grupo de quase 50 líderes empresariais brasileiros, entre os quais estão mais de 30 CEOs, aderiu a uma campanha internacional que defende que...

O que coloca São Paulo entre os 100 maiores polos científicos do mundo

São Paulo está entre os 100 principais polos de produção científica do mundo, segundo um novo ranking, publicado neste início de setembro. A lista é um...

Filantropia aumenta a desigualdade em vez de reduzi-la, diz novo livro

A filantropia nunca foi tão intensa no mundo quanto nos dias de hoje, mas, em vez de ajudar a reduzir a distância de renda...

Carlos Brito, da AB InBev: os três pilares da liderança corporativa

Após mais de uma década, Carlos Brito pode estar perto de encerrar sua trajetória como principal executivo da Anheuser-Busch InBev. O Financial Times informou nesta...

As diferenças entre o boom de IPOs de 2020 e o de 2007

Se o ritmo atual se mantiver, o mercado de capitais brasileiro deve registrar um volume recorde de lançamentos de novas ações na B3. Nesta...