Estudo aponta pessimismo e falta de inovação de empresas brasileiras

Leia também

Um estudo global realizado pela Nielsen, em parceria com a McKinsey mostra que as empresas na América Latina — incluindo o Brasil — ainda pecam no quesito inovação em suas práticas aplicadas ao Marketing e Vendas. E, ao mesmo tempo, estão mais pessimistas com a recuperação pós-Covid que companhias de outros países das Américas. As empresas brasileiras só não são mais pessimistas que as europeias.

De acordo com o levantamento, 20% das empresas brasileiras estão pessimistas, contra 18% das canadenses, 15% das norte-americanas e 15% das mexicanas, 10% das colombianas, 7% das centro-americanas e apenas 2% das peruanas. Por outro lado, 24% das empresas inglesas, 35% das italianas e 42% das espanholas se disseram pessimistas. Na Ásia há a maior diferença: enquanto 44% das empresas japonesas se mostram pessimistas, apenas 4% das chinesas respondem desta forma.

Este estudo “Commercial Excellence Benchmarking” é divulgada a cada dois anos desde 1978 por meio da coleta de informações das empresas líderes de CPG (sigla em inglês para bens de consumo não duráveis). A edição mais recente do estudo ouviu 36 empresas de bens de consumo na América Latina, que, juntas, possuem receitas superiores a US$ 25 bilhões. Os resultados baseiam-se em dados globais de mais de 320 empresas, representando US$ 2,4 trilhões em vendas líquidas e US$ 70 bilhões em despesas comerciais.

Para elaborar o estudo, a Nielsen e a McKinsey listaram seis pilares seguidos pelas empresas consideradas vencedoras: Portfólio e design, Data Driven, Precisão de precificação, Sales & Instore e E-commerce, além de uma nova — focada em movimentos ágeis de operações. A edição mais recente do estudo ouviu 36 empresas de bens de consumo na América Latina, que, juntas, possuem receitas superiores a US$ 25 bilhões. Os resultados baseiam-se em dados globais de mais de 320 empresas, representando US$ 2,4 trilhões em vendas líquidas e US$ 70 bilhões em despesas comerciais. No Brasil, de acordo com o levantamento, 29% das companhias analisadas ainda não se destacam em nenhum dos quesitos que classificam uma empresa como vencedora.

 Embora esteja num patamar melhor ao verificado nos demais países da América Latina, o país ainda é superado no mesmo quesito pelo México (8%). Por outro lado, 29% das empresas que atuam no mercado brasileiro contam com destaque em um dos focos considerados relevantes pelo estudo da Nielsen/McKinsey e 43% figuram entre as que contemplam três práticas vitoriosas — índice bem superior à média regional (13%). 

De acordo com o estudo, a inovação é ainda um ponto fraco na América Latina e as práticas adotadas pelas empresas vencedoras não são significativamente diferentes do que as concorrentes praticam mundo afora. Além disso, ainda são consideradas iniciativas básicas. Uma série de dados servem de exemplo no que se refere à importância das empresas desenvolverem essas práticas vencedoras. De acordo com o estudo, as companhias que assim  o fizeram modificaram 20% de seu portfólio na comparação com com o ano anterior, contra 17% das demais companhias, obtendo um crescimento de vendas de 2,9 pontos, contra 1,9 das demais.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Em dois anos, empresas que não se modernizarem parecerão do século passado, diz Monica de Bolle

Monica de Bolle, professora da Johns Hopkins University e pesquisadora sênior do Peterson Institute for International Economics, ambos em Washington, afirma, em entrevista exclusiva...

Insead aponta ferramentas para transformar suas ideias em realidade

Um artigo publicado na prestigiosa escola de administração europeia Insead apontou quais ferramentas são necessárias para transformar uma inovação em uma inovação bem-sucedida. O...

As entregas do e-commerce precisam ser tão rápidas?, questiona Correos da Espanha

Em tempos de Black Friday, quase tão importante quanto os descontos são os prazos para entregas. Se antes a disputa era por dias, agora...

Grupo brasileiro lança movimento CEOs pela Diversidade e Inclusão

Um grupo de CEOs de grandes empresas brasileiras lançará, no dia 26 de novembro, o Movimento Impacto - CEOs pela Diversidade e Inclusão. O...

Vacinas contra Covid-19 levam FMI a sugerir investimentos para a retomada econômica global

O otimismo gerado com notícias promissoras quase diárias sobre vacinas contra a Covid-19 levou o Fundo Monetário Internacional (FMI), em um texto desta terça-feira...