Por sustentabilidade, Harley-Davidson lança bicicletas elétricas

Leia também

Insead aponta ferramentas para transformar suas ideias em realidade

Um artigo publicado na prestigiosa escola de administração europeia Insead apontou quais ferramentas são necessárias para transformar uma inovação em uma inovação bem-sucedida. O...

Poucas coisas no mundo dão mais a sensação de liberdade que uma moto, especialmente se ela for uma Harley-Davidson. Mais que uma marca, a empresa inspira uma imagem de aventura, curtir a vida e, de certa forma,  rebeldia. Pois agora a empresa terá mais um predicado: sustentabilidade. Em pouco mais de duas semanas a Herley apresentará a Serial 1, sua primeira linha de bicicletas elétricas. As vendas, contudo, deverão demorar um pouco mais, provavelmente no primeiro semestre de 2021. 

“Quando os fundadores da Harley-Davidson colocaram potência em duas rodas e criaram sua primeira motocicleta em 1903, eles mudaram para sempre a maneira como o mundo se movia. Agora, mais de um século depois, a Serial 1 Cycles, Powered by Harley-Davidson, criou uma bicicleta elétrica que foi projetado para mudar a maneira como o mundo se move novamente”, informa a empresa, no site que está em contagem regressiva para o novo produto.

O nome Serial 1 é uma referência ao “Serial Number One”, o apelido da motocicleta mais antiga da Harley-Davidson construída em 1903. O design da bicicleta, com seus pneus brancos, selim e punhos de couro e elegante estrutura preta, foi feito para relembrar o primeiro modelo da lendária companhia.

Ainda não há muitas informações da nova bicicleta, como potência ou preço. Mas algumas fotos indicam que bicicleta é inspirada nas primeiras motos da empresa, porém agora na versão elétrica ou a pedaladas. Analistas acreditam que, assim como ocorre com os modelos a motor, as bicicletas terão preço alto inclusive para o mercado americano, entre US$ 2.500 (R$ 14 mil) e US$ 5 mil (R$ 28 mil), para produtos premium.

Com a pandemia, o mercado de bicicletas elétricas explodiu nos EUA. Segundo dados da Bloomberg, deve passar das 270 mil unidades vendidas em 2019 para até 600 mil neste ano. Ou seja, não é apenas a sustentabilidade que atrai a empresa, que em breve deve ter a concorrência nas “magrelas elétricas” de nomes como BMW, Audi, Mercedes-Benz, Ford, Jeep e General Motors.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Em dois anos, empresas que não se modernizarem parecerão do século passado, diz Monica de Bolle

Monica de Bolle, professora da Johns Hopkins University e pesquisadora sênior do Peterson Institute for International Economics, ambos em Washington, afirma, em entrevista exclusiva...

Insead aponta ferramentas para transformar suas ideias em realidade

Um artigo publicado na prestigiosa escola de administração europeia Insead apontou quais ferramentas são necessárias para transformar uma inovação em uma inovação bem-sucedida. O...

As entregas do e-commerce precisam ser tão rápidas?, questiona Correos da Espanha

Em tempos de Black Friday, quase tão importante quanto os descontos são os prazos para entregas. Se antes a disputa era por dias, agora...

Grupo brasileiro lança movimento CEOs pela Diversidade e Inclusão

Um grupo de CEOs de grandes empresas brasileiras lançará, no dia 26 de novembro, o Movimento Impacto - CEOs pela Diversidade e Inclusão. O...

Vacinas contra Covid-19 levam FMI a sugerir investimentos para a retomada econômica global

O otimismo gerado com notícias promissoras quase diárias sobre vacinas contra a Covid-19 levou o Fundo Monetário Internacional (FMI), em um texto desta terça-feira...